COMO UMA ONDA

Como uma onda, tudo na vida vem… Tudo na vida vai…

Lulu Santos interpretou.

Foi o autor da melodia.

Mas a letra da música foi composta por Nelson Motta – mais um dentre os supostos muitos traidores da causa operária!

Que por ter vivido tanto tempo nos Estados Unidos não teria tido forças suficientes para resistir ao assédio da doutrina capitalista, e que terminou por sucumbir aos termos da cultura imperialista!

Como tantos outros que outrora defenderam de maneira ardorosa (e hoje reconhecidos inequivocamente como pessoas de conduta hipócrita!) as causas do socialismo utópico.

Que, de tão utópico, perdeu-se na cabeça de quem um dia o imaginou.

Pelos menos é o que afirmam aqueles que cultuam a filosofia esquerdista.

Ah, quer saber?

Que se danem os filósofos utópicos!

Que se danem os defensores da filosofia esquerdista!

Que se danem aqueles que acham que ninguém tem o direito de evoluir!

“Como uma onda no mar” foi gravada em 1983.

Numa época em que o autor da letra, e muito menos o intérprete da música (Lulu Santos engajado, nessa época? Me poupe…) não tinham a menor propensão à revisão de antagonismos dialéticos de cunho ideológico.

Em outras palavras, a intenção deles com essa música era simplesmente…

Fluir…

Palavras…

Metáforas…

Sentimentos…

Idéias…

Pensamentos…

Tudo aquilo que mexe, e move, a imaginação das pessoas…

“Como uma onda” possui uma das mais profundas mensagens subliminares da música popular brasileira.

Um ritmo suave…

Uma batida serena…

Uma interpretação autêntica…

“Como uma onda” é uma das mais belas canções já feitas no idioma universal.

Que é o idioma do sentimento.

E sentimento, definitivamente, é o que mais vem faltando na sociedade atual.

Onde as pessoas são levadas a viver de maneira absolutamente artificial.

E não há nada mais artificial no mundo do que pensar que a realidade poderá ser de novo do jeito que já foram um dia; afinal:

– Poderá ser pior;

– Poderá ser até melhor;

– Mas nunca, do jeito que já foi um dia…

Quando o futuro não parecer poder ser melhor que o presente é porque chegou a hora:

– Enterre o passado… Nem que seja no mar…

 

***

“As pessoas viajam para admirar a altura das montanhas, as imensas ondas dos mares, o longo percurso dos rios, o vasto domínio do oceano, o movimento circular das estrelas, e no entanto elas passam por si mesmas sem se admirarem.” (Santo Agostinho)