HORA DE SE PEDIR DEMISSÃO

Demissão é, de longe, a questão que mais atormenta o espírito de um profissional.

Que, a certa altura, passa a sofrer do mal que mais assola todos aqueles que se mantêm estáveis em um emprego, numa mesma empresa, ao longo de muitos anos.

Trata-se de uma situação muito comum, e que tem relação direta com a longevidade do profissional num mesmo emprego – e tanto mais vorazes serão seus sintomas quanto mais tempo ele tiver permanecido no mesmo cargo, desempenhando as mesmas funções.

Afinal, do que estamos falando? 

Da mais comum das doenças a que são acometidas as pessoas durante sua carreira corporativa: 

– A estacionite

As circunstâncias em que ela se manifesta não são propriamente uma novidade – e são tão previsíveis que, fossem elas objeto de estudos de pesquisas médicas, seriam inevitavelmente classificadas como “doença crônica”!

“Doença crônica”? Uma expressão usualmente utilizada para definir uma doença para a qual ainda não existe cura definitiva mas que, se respeitadas e seguidas as prescrições médicas, podem ser administradas a ponto de não comprometer a possibilidade de uma vida longa e profícua a quem por elas for vitimado – tais como:

– Diabetes;

– Hipertensão;

– Colesterol

Estacionite também é uma doença.

E, como tal, também possui seus sintomas!

E quais seriam os principais sintomas dessa “doença” de quem se mantém ao longo de muitos anos no mesmo emprego?

1. Ao acordar, a pessoa se questiona: “droga! tenho mesmo de ir trabalhar hoje?”…

2. Ao chegar no trabalho e alguém lhe dizer “bom dia!”, ela se questiona: “bom dia por quê?”…

3. Ela desempenha suas atividades tão automaticamente que, quinze minutos depois, nem se lembra do que executou…

4. E, por não se concentrar no trabalho, vive apagando incêndios…

5. Sem nem se lembrar mais quem era seu mentor na empresa…

6. Fazendo tudo por fazer – já que alguém tem de fazer, e esse alguém é a própria pessoa…

7. Mas pensando: “Putz! Acho que preciso trocar de relógio – esse está andando cada vez mais devagar!”…

8. E sentindo uma condição de “alvoroço mental” ao sair da empresa…

9. Para poder voltar para a convivência dos amigos e da família, onde poderá se sentir à vontade para se queixar do chefe, dos clientes, dos fornecedores, do trabalho…

10. Até poder finalmente reclinar sua cabeça num travesseiro – torcendo muito para o dia seguinte não chegar…

Como se sabe que chegou a hora de se pedir demissão?

Quem é que tenha se identificado com pelo menos cinco dos sintomas acima, que não tenha dúvidas.

Sua condição é de estacionite…

E estacionite é a principal causa da falta de motivação – que é quando, acometidas dessa doença, as pessoas em geral passam a pensar em demissão.

Demissão não gera estacionite – mas estacionite pode gerar… Desejo por demissão!

E que todo profissional tome cuidado, já que essa condição pode se tornar aguda!

Quando uma pessoa começar a se sentir assim em seu emprego, que seja rápida, antes que seqüelas mais graves possam surgir!

Pois ao se ter de conviver com essas condições já ficou mais do que claro que, nesse emprego, chegou a hora de pedir demissão…

***

“Nossas dúvidas são traidoras, e nos fazem perder o bem que sempre poderíamos ganhar, por medo de tentar.” (William Shakespeare)

 

DEMISSÃO EM MASSA EM 2012

Empresas que demitiram em massa?

O objetivo de uma lista de empresas que demitiram em massa, ou com previsão de demissão em massa, não deveria ser o de semear a dúvida, a incerteza, a insegurança entre as pessoas.

Mas quando se trata de um assunto tão delicado na vida das pessoas como a demissão, inevitavelmente, é o que acaba acontecendo…

As grandes empresas que demitiram em massa ou com previsão de demitir em massa não são as únicas que demitem – empresas demitem diariamente, seja como parte de um processo de renovação e inovação, seja simplesmente por um questões circunstânciais: um num dia, dois no dia seguinte, um uma semana depois, três na véspera…

E daí?

Quem é que presta atenção nisso nos dias de hoje?

O fato é nesta lista de empresas que demitiram em massa temos empresas relevantes – e por serem importantes em seu ramo de atuação, representam referências para o mercado.

As empresas que anunciaram demissão em massa no mundo em 2012, ou anunciaram que vão demitir num curto prazo, segundo levantamento da “Exame.com”.

Na lista abaixo, os números apresentados após o nome da empresa representam a quantidade de demissões – já efetivadas ou em curso de efetivação:

1. Citibank: 11.000…

2. Sony: 10.000…

3. Osram: 4.700…

4. Santander: de 1.000 para mais…

5. Siemens: 1.100…

6. Bank of America: 16.000…

7. Ford: só anunciou “centenas de demissões”…

8. Motorola Mobility: 4.000…

9. Avon: 1.500…

10. ArcelorMittal: mais de 600…

11. Lexmark: 1.700…

12. Panasonic: mais de 10.000…

13. Foxconn: 300…

14. Credit Suisse: 373…

15. Deutsche Bank: 1.900…

16. Air France: 5.120…

17. Nokia: 10.000…

18. ING: 2.350…

19. Unilever: 800…

20. RBS (Royal Bank of Scotland): 600…

21. Olympus: 2.700…

22. HP (Hewlett Packard): 29.000…

23. Gol: 850…

24. HSBC: 30.000…

25. Iberia: 4.500…

26. General Motors: 940…

27. Zynga: 5% dos funcionários…

28. UBS: mais de 10.000…

29. Barclays: até 2.000…

30. Yahoo!: até 2.000…

31. Philips: até 2.200…

32. Bankia: até 6.000…

33. Ericsson: 1.550…

34. Revlon: 250…

35. IBM: 8.000…

36. Pepsico: 8.500…

37. Vestas: 3.400…

38. Fnac: 500…

39. Basf: 400…

40. Alcatel-Lucent: 5.490…

41. Nokia Siemens Network: 3.500…

42. Vivendi: 856…

43. Novartis: 1.960…

44. Gold Fields: 8.500…

45. NEC: 10.000…

A justificativa para essas demissões já efetivadas ou em curso é, usualmente, sempre a mesma:

– Precisamos cortar custos para garantir a rentabilidade do negócio…

Daí, pergunto:

– Dá para reclamar do seu Manuel da padaria da esquina, quando ele aumenta o preço do pãozinho?

E eu mesmo respondo:

– Lógico que dá para reclamar do seu Manuel, pelo aumento do preço do pãozinho!

Só não dá para exigir dele que garanta o emprego de todos os seus funcionários quando nem ele conseguir ganhar o suficiente para ter no bolso o dinheiro para comprar o pãozinho que ele próprio produz…

Eis a LISTA

***

“Não enriquece quem trabalha, mas quem faz os outros trabalharem.” (Júlio Camargo)