SACOLAS PLÁSTICAS

Sacolas plásticas?

Ecologia é causa, e não consequência…

– Sacolas Plásticas… Pô, cara… Não dá pra entender…

Que é que foi?

– Cê viu esse lance das sacolas plásticas nos supermercados…?!?

– Sacolas plásticas?

– É… Não mais distribuir sacolas plásticas para clientes…

Ah, sei, sei – que é que tem?

– Não dá pra entender…

Humm, sacolas plásticas – o que não dá pra entender?

– Essa falta de consciência ecológica das pessoas… Do povão… Cê acredita que tem gente que ainda não entendeu?

Não entendeu?

– É… não entendeu… O lance das sacolas plásticas!

Ah, tô ligado: tão contra a idéia de se eliminar as sacolas plásticas!

– É, cara… Incrível… Que diabo!

– É muita falta de consciência ecológica, pô! Será que esse pessoal não se toca dos malefícios que a distribuição de sacolas plásticas nos supermercados traz pra natureza? Que isso representa danos irreparáveis ao meio ambiente? Qual o problema de cada um levar sua própria sacola de casa? Sacola retornável, ecologicamente limpa, diferentemente das sacolas plásticas; será que esse povão não vê que o futuro da humanidade depende também de uma atitude como essa?

Cara, sei do que você está falando: chega a ser deprimente para pessoas esclarecidas como nós ter de conviver numa sociedade tão insensível!

– É, e como! Ei… Que horas são?

Hum – dez!

– Dez? Não brinca… Cara, como o dia passou rápido!

Hah, não foi o dia que passou rápido: você é que chegou às duas da tarde na agência!

– Cara, não teve como: tava todo enrolado em entender meu novo smartphone

Novo?

– Mas esse novo smartphone é demais… Tem um sistema de acesso integrado digital universal, uma nova tecnologia, o “touch and feel”… Internet, rádio, tevê por assinatura, redes sociais, mp3, gravador, filmadora, câmera, GPS, agenda eletrônica, calculadora…

Mas você já não tinha trocado de aparelho?

– Ah… Mas isso já tinha três meses…

Caraca! Três meses?

– Pois é cara, o tempo passa – a vida passa!

É, o tempo passa – aliás, falando em passa, me passa uma fatia dessa pizza!

– Ah, deixa ela; o motoqueiro que trouxe ela deve ter parado no caminho para jantar.

!

– Tá fria – e a muçarela virou chiclete!

Pô! Tô com fome!

– Melhor você passar depois no Maxi Don Beef Plus e comer um sanduíche de picanha no prato!

Putz! Agora a fome apertou: aquele prato é demais! Aliás, demais mesmo! Nas vezes em que passei lá nunca consegui comê-lo inteiro!

– Nem eu, mas vale pelos olhos!

É, mas acho que agora meus olhos estão tentando me apagar!

– Também, a esta hora… Acho que só estamos nós no prédio…

Nós e o pessoal da segurança; e já que é assim, tô indo – amanhã tenho de acordar cedo para pegar meu carro novo…

– Carro novo?

É, cara! Ganhei do meu pai!

– Mas você já não tinha trocado de carro recentemente…?!?

Não…! Já faz quase dez meses!

– Dez meses?

É… E você sabe o modelo que eu vou pegar amanhã?

– …

Um “Alienation Plus Master Advanced”…

– UAU!

– Como diria meu pai, “the state of art”…

– Cara, legal!

É… Eu preciso pegar o carro amanhã no primeiro momento, para ir para a praia!

– Ah, vai levar a família inteira no carro, para experimentá-lo…

Não, meu pai vai com o carro dele, direto do escritório.

– E sua mãe?

Ela vai com o dela, depois do cabeleireiro.

– E a Stephanie…?!? Cê não vai deixar a namorada sozinha no fim de semana…

Não, claro que não… Ela vai com o carro dela, depois da academia.

– Ah, legal… Então… Acho que tá na hora…

É… Só salve todos os arquivos em que a gente trabalhou, para a gente saber exatamente onde paramos.

– É… Cara… Esse projeto ainda vai dar muita dor de cabeça…

Vai, eu sei… Vai… Criar uma campanha publicitária que conscientize as pessoas da necessidade de hábitos sustentáveis… Cara…

– Sei… Sei… Cê vai dizer: onde é que estávamos com a cabeça quando aceitamos esse trabalho?

Não, não… Não vou dizer isso… Estamos no mesmo barco, e a agência já estava no limite – a gente precisava dessa campanha. Meu pai já tinha começado a me olhar diferente!

– Eu sei – o meu também. Já não tinha mais como pedir dinheiro “emprestado” a ele para poder pagar as despesas da agência…

Vamos aproveitar o fim de semana para pensar em algo diferente para a campanha; algo que faça realmente as pessoas entenderem o quanto é importante o conceito de sustentabilidade.

– É isso mesmo!

Valeu!

– E aí, quer carona?

Valeu, mas vou pegar um táxi – vou passar num mercado.

– E por que não vem comigo? Cê se esqueceu que moramos no mesmo edifício?

É que esse mercado fica a dez quilômetros de nosso prédio, e não quero desviar seu trajeto – eles têm um serviço diferenciado, vinte e quatro horas por dia, sem quase ninguém, uma maravilha, cara!

– Ok… Pega as sacolas plásticas que estão dentro da primeira gaveta da mesa.

– Pra quê?

– É para a empregada recolher os “croquis” do meu poodle, o Lucky, quando ela leva ele para passear.

– Pensei que você fosse usar como saco de lixo…

– Engraçadinho… Cê acha que eu uso sacolas plásticas como saco de lixo na minha casa? De que planeta você veio? Compro saco de lixo pra isso!

Beleza… Aliás, vamo nessa! Tô indo também!

– E a luz? Tá tudo ligado no prédio!

– Não esquenta: o pessoal da segurança apaga…

***

“Quando ouço falar de ecologia, saco logo meu talão de cheques.” (Paulo Francis)