REPETITION

Repetir sim, mas sem inspiração…

Até quando?

Sem essa de repetir, repetir, repetir…

Até tudo a seu redor se tornar um autêntico ferro-velho!

“Repetition” (Repetição), música do Grupo “Information Society”, foi provavelmente concebida como uma ode ao amor verdadeiro.

Uma situação em que alguém se dá conta de que deveria “retornar ao lugar de onde nunca se deveria ter saído”.

Provavelmente um enfoque romântico sobre uma relação amorosa que nunca deveria ter terminado!

Numa narrativa levada ao extremo da sensibilidade.

Mas o videoclipe da música demonstra que, intencionalmente ou não, a conteúdo da mensagem ia “mais longe”. 

Atente para o cenário no entorno do grupo durante a canção: 

– Cadeira de balanço…

– Televisão de tubo…

– Rádio de seletor…

– Móveis antigos…

– Um prédio que lembra ruínas de filmes de catástrofe…

Uma repetição de imagens de coisas que já teriam sido importantes um dia – mas cujos objetos já estariam exauridos em sua capacidade de produção, de inovação.

E depois disso tudo, o que é que vem? Outra repetição.

Afinal, esse ambiente todo não lembra um clima de… Ferro-velho?

Muitas vezes, ao longo de sua vida, muitas pessoas criam como padrão de comportamento a repetição de atitudes e procedimentos – que, segundo sua ótica, deram certo no passado:

– “Para que mexer em time que está ganhando?”, alegam para si próprias, em seu subconsciente.

Só que o subconsciente nem sempre se dá conta daquilo que acontece no mundo real.

E é justamente aí que mora o perigo.

Na convivência com a família, com os amigos, no trabalho, na carreira…

Repetindo ações passadas na esperança de que o futuro seja melhor que o presente.

Peraí: será que é só isso que alguém pode fazer no presente?

Qualquer pessoa que continuar a fazer do mesmo jeito o que sempre fez vai continuar a obter os mesmos resultados que sempre obteve!

E as expectativas de qualquer pessoa sempre serão a de levá-la a um plano superior em relação ao que ela se encontra.

Já que, de uma maneira ou de outra, o que podia até ser útil numa determinada época, acaba por se tornar obsoleto com o passar do tempo – e chegar ao ponto de não servir mais!

Tipo “televisão de tubo”…

Ou “rádio com seletor”!

Toda pessoa deveria tomar extremo cuidado com o repetir!

Pois a certa altura de sua vida o repetir irrefletidamente pode transformar o em torno de si um autêntico…

Ferro-velho.

 

***

“Você não pode tentar fazer coisas: você deve, simplesmente, fazê-las.” (Ray Bradbury)