PENSAMENTO

Pensamentos nem sempre nos ocorrem por conta do destino de nossa viagem.

Na maioria das vezes eles ocorrem simplesmente por conta das experiências que vivenciamos durante o trajeto…

***

Quem não acredita na existência de uma energia maior regendo o Universo é porque nunca parou para refletir sobre o significado da palavra eternidade.

Sentir-se injustiçado é nunca se sentir sozinho: há mais de 6 bilhões de pessoas no mundo prontas a se solidarizar com esse sentimento.

Não existe assunto chato; existe é gente que não sabe conversar.

Alguém pensar que sozinho controla tudo o que ocorre ao seu redor é justamente o motivo de ele estar sozinho.

Com o tempo qualquer empresa se torna um lugar muito chato – para quem trabalha nela somente pensando na aposentadoria.

Um negócio só se torna inviável quanto ao seu futuro quando seu empreendedor não prestou atenção no passado.

A diferença entre um louco e um empreendedor é que o empreendedor consegue convencer os outros – que não é louco.

Não há nada de errado em se viver com a cabeça no ar – desde que não se leve os pés junto.

A vida poderia ser muito mais fácil para a maioria das pessoas se elas assumissem para si próprias como é difícil ela ser entendida.

Se um superior não consegue entender um inferior, afinal, ele é superior em quê?

Uma pessoa só acha que sabe tudo quando está muito mal informada.

Qualquer empresa jamais será objeto de desejo de potenciais compradores se for administrada com o único objetivo de ser vendida.

Qualquer análise de um problema corporativo deve ser feita sempre assim: tratando o problema como um simples problema – corporativo.

Procure não constranger as pessoas por suas idéias – afinal, na maioria das vezes, essas idéias não passam apenas de idéias.

Cuidado ao refinar seu vocabulário quando for dizer alguma coisa: a maioria das pessoas nem sequer sabe o que significa vocabulário.

Não sei para onde a vida nos leva – só sei que ela nos leva.

Não existe esquerda competente: somente direita incompetente.

Não acredito no que falam os céticos; mas essa ainda não é a melhor maneira de desacreditá-los.

Não há palavras que possam descrever os sentimentos de uma pessoa quando essa pessoa não sente nada.

Não há fracasso mais inevitável na vida de uma pessoa do que ela acreditar que um dia ela vai atingir a perfeição.

Nunca tenha medo de dizer o que você pensa – desde que você tenha pensado em todas as eventuais consequências do que vai dizer.

Empresas estão repletas de pessoas insubstituíveis – e cemitérios também.

Uma pessoa só se sente constrangida com uma frase de efeito quando essa frase confirma a falta de efeito dessa pessoa.

Não conte com a tolerância de seu chefe ao não atingir suas metas de desempenho – a não ser que seu chefe seja o Papa.

A verdadeira essência de DEUS continua nos dias de hoje onde sempre esteve desde o início dos tempos: dentro de nós.

Deixar uma cicatriz foi a forma que a natureza encontrou para nos lembrar de não cometermos o mesmo erro de novo.

A possibilidade de se ter diversas opções na vida é muito importante: mas opções representam apenas possibilidades.

Quando alguém acha que poderia ter um emprego melhor do que aquele que já possui, o que ainda está esperando para trocar de emprego?

O fato de não se entender a lógica de um sistema não significa que esse sistema não tenha sua lógica.

Deixar a ordem natural das coisas seguir seu fluxo é como dirigir um carro: não se precisa dos freios para desviar, precisa-se é da direção.

Nem todo problema tem solução; mas só se deve chegar a essa conclusão depois de se esgotar todas as alternativas.

Esperar chegar o dia em que não precise dar satisfações a ninguém no trabalho é esperar inconscientemente pela aposentadoria.

Caderneta de poupança não é investimento – e daí? Por acaso salário é renda?

Há prazeres na vida que nem um bom salário paga – foi por isso que inventaram o cartão de crédito.

Na estrada da vida diante de bifurcação, procure escolher aquela com possibilidade de retorno.

Reencarnação não é somente um novo corpo numa nova vida: é também o mesmo corpo, desde que renovado o mesmo espírito.

Só existe um problema quando há alternativas; se não há alternativas não há problema, apenas um fato – com o qual teremos de aprender a conviver.

Cigarro, álcool, açúcar, sal, gordura, sedentarismo… O simples fato de querer se sentir vivo mata.

A vida nos dá um único ensinamento: vivemos para aprender.

É espantoso o que uma pessoa é capaz de falar quando não tem nada a dizer.

Tudo na vida tem sempre uma explicação racional – exceto nossos pensamentos.

***

“A razão porque muitas pessoas se perdem em pensamentos é que estão em território não familiar.” (Alfred E. Newman)

 

RESPONSABILIDADE

Responsabilidade?

A habilidade de dar uma resposta.

Simples, não?

Bem, infelizmente, não é tão simples assim

As pessoas que possuem responsabilidade têm claramente em mente que são responsáveis por aquilo que criam em termos de condições em sua vida, quer seja na família, entre os amigos, na escola, no trabalho...

Enfim, tudo aquilo que envolve o conceito geral do que seja sucesso.

Essas pessoas sabem que, independentemente do que lhes é apresentado na árdua tarefa de sobreviver dia após dia, elas são o principal elemento.

Aquele que define para que lado seguirão, tal qual o volante de um carro – que é o mecanismo que efetivamente determinará a direção do carro.

E quem é que efetivamente tem responsabilidade?

Todo aquele que é capaz de reconhecer sua capacidade em expressar suas intenções:

– Sua origem;

– Seu trajeto;

– Seu destino…

Ou seja, ser capaz de responder por suas atitudes, seus gestos, suas ações e pelas consequências que quaisquer uma delas trazem inevitavelmente às suas vidas – sim, inevitavelmente…

Se tem uma coisa chata na sociedade atual é pregação a esmo de direitos, sem qualquer menção aos deveres inerentes ao exercício de qualquer direito:

– A um piloto de avião, não basta querer ser; ele precisa saber a origem da decolagem, o trajeto a cumprir e o destino para pousar.

Há um sem número de pessoas dispostas a serem “pilotos”, sem terem a menor idéia do porquê um avião é capaz de voar!

Toda pessoa com responsabilidade sabe que, por conta dos objetivos que assume por conta de seu cargo também assume as tarefas inerentes a essa função e que estará, inevitavelmente, se expondo à avaliação de terceiros, que nada mais são do que… Outras pessoas!

Que na maioria das vezes embarcam por conta da expectativa de que esse piloto diante dos possíveis problemas de qualquer vôo terá habilidade em DAR sua resposta! E chegar ao destino, pousando em segurança…

Independentemente de circunstâncias pessoais: familiares, políticas, sentimentais, sociais, profissionais, ambientais, econômicas, climáticas, motivacionais, psicológicas…

Pois todo mundo que embarca num vôo só espera uma coisa do piloto:

– Que ele seja capaz de levá-los ao destino a que ele se propôs ao assumir a condição de piloto, sem se deixar abater pelas circunstâncias – por mais inusitadas que possam parecer…

Se há uma coisa que todo passageiro deseja, ao embarcar num avião, é chegar ao destino – vivo!

Uma pessoa de responsabilidade não se deixa levar pelas circunstâncias – pois se deixar, é justamente aí onde nasce o problema…

***

“Cada vez que pensamos que o problema não é nosso, é nessa atitude que está o problema.” (Stephen R. Covey)

 

ARROGÂNCIA

Jamais confunda arrogância com autoconfiança!

Qual a diferença entre arrogância e autoconfiança?

Uma definição prática de qual seria a diferença fundamental entre esses dois tipos de procedimento das pessoas seria:

– Toda pessoa com arrogância tem autoconfiança – mas nem toda pessoa com autoconfiança tem arrogância.

Mas…

 E daí?

Em que uma definição como essa contribuiria para o fortalecimento do dia a dia de uma pessoa em sua percepção e, principalmente, de sua capacidade analítica?

Foi pensando nisso que elaboramos este roteiro que, do ponto de vista científico, não quer dizer absolutamente nada!

Mas que, do ponto de vista do exercício diário da convivência com pessoas, quer dizer singela (e com alguma dose de pretensão)…

Tudo!

Por exemplo, não vamos perder tempo definindo o que significa autoconfiança.

Até porque esse conceito todos o temos, em maior ou menor grau.

Pois autoconfiança todos devemos ter em nosso dia a dia, independentemente se atuando em ambientes familiares, sociais, profissionais.

Onde quer que seja!

O problema surge quando a autoconfiança torna-se excessiva, virando…

Arrogância!

E o que faz uma pessoa com arrogância?

1. Nunca se acha arrogante – só melhor que todas as outras a seu redor…

2. Nunca acha que está errada – a não ser quando diz que pode estar enganada…

3. Sempre está cheia de si – enquanto as outras sempre estão cheias dela…

4. Sempre se acha insubstituível – enquanto as outras não entendem por quê ainda não foi substituída…

5.  Sempre acha que nunca precisa provar nada – enquanto as outras sempre a acham a própria ‘provação’…

6. Nunca responde a um “oi!” de quem chega – enquanto as outras sempre dizem “tchau!” quando ela sai…

7. Nunca tem dúvidas sobre seu futuro – enquanto as outras vasculham seu passado…

8. Sempre imagina que sabe o que diz – enquanto as outras dizem dela o que ela nem imagina…

9. Nunca acha que é chata; só sistemática – enquanto as outras nunca a acham sistemática; só chata…

10. Sempre acha que não há como criar piadas novas – enquanto as outras sempre a têm como a melhor inspiração…

Enfim, o que significa arrogância?

Arrogância significa motivo de piadas para os outros; e o pior disso é que não se tratam de piadas novas – são simplesmente as mesmas piadas de sempre…

***

“A distância entre autoconfiança e arrogância é quase imperceptível.” (Jack Welch)

 

CYBERSPACE?

O que significa cyberspace:

– O espaço cibernético.

Um lugar onde não é necessário a presença física do ser humano!

Bastam computadores.

A tecnologia vai aumentando cada vez mais o controle sobre a vida.

Sabe qual o principal problema a ser resolvido para se chegar finalmente à criação da máquina do tempo?

– Não haver nenhum futuro quando se viaja no tempo…

Aliás, muito menos o passado.

Apenas o presente.

E qual o problema em só haver o presente?

Ele nos impõe o agora.

E o agora não significa o hoje.

Pois o que quer que tenha ocorrido a um minuto antes do agora já é passado.

E o que vai ocorrer um minuto depois ainda será futuro.

Eis então o Cyberspace:

– Um agora contínuo, onde tudo é.

Uma espaço onde tudo o que se faz, por quem quer que seja, é monitorado permanentemente, quer seja por apps, plugins, robots ou o que quer que se relacione ao Cyberspace:

– Desktops;

– Notebooks;

– Tablets;

– Smartphones…

Aliás, todos esses itens citados anteriormente podem ser listados em uma única categoria:

– Computador!

Pois foi com base nele, o computador, que os demais surgiram, independentemente dos atributos que tenham sido atribuídos especificamente a cada um deles .

E como é que funciona um computador?

Ele funciona de acordo com seus programas.

E seus programas não estão nem aí com o que seus usuários pensam sobre eles, os computadores.

Pois eles obedecem apenas a um único senhor:

– Seu programador.

E não adianta uma pessoa reclamar com o computador!

Para começar, ele nem sabe sequer o que significa pessoa.

Qualquer reclamação sempre deverá ser direcionada a uma pessoa – uma entidade composta por:

– Corpo; e,

– Alma…

E um computador apesar de ser composto também por duas partes, possui uma realidade diferente, onde:

– Software é a parte que se xinga;

– Hardware é a parte que se chuta…

Qualquer pessoa minimamente a par do que significa Cyberspace tem condições de interpretar o que significa privacidade nos dias de hoje numa empresa:

– Nada…

Quem pensa que aquilo que faz em seu dia a dia está circunscrito apenas a seu conhecimento está muito mal informado!

O Cyberspace sabe exatamente o que você fez ao longo de suas 24 horas do dia.

Incluindo a popular internet…

Que chegou em nossas vidas para resolver todos os problemas que antes não existiam!

Cuidado!

Computadores não podem de ser tratados como pessoas – eles não gostam disso!

O que tudo isso significa?

Basicamente, apenas uns e zeros!

E é justamente por isso que é preciso parar de encarar a internet como uma rede de computadores.

Ela é uma rede de pessoas…

 

ABREVIATURA

Abreviatura?

Uma representação simplificada de um conjunto de palavras que possuem um significado específico, usualmente com base na primeira letra de cada uma dessas palavras.

E que acaba quase que por assumir o status de uma palavra, com sentido próprio; tais como:

– IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística;

– PIB – Produto Interno Bruto;

– RPM – Rotações Por Minuto;

– EUA – Estados Unidos da América;

– AAS – Ácido Acetil Salicílico;

– HC – Habeas Corpus;

– RM – Ressonância Magnética;

– CPV – Custo dos Produtos Vendidos;

– DR – Discutir a Relação;

– FDP…

Obviamente, nem todas as abreviaturas possuem um sentido único específico.

E quem foi que disse que todas demais palavras possuem?

– Leve – contrário de pesado;

– Leve – carregue consigo…

Abreviaturas foram criadas com o objetivo de facilitar o processo de comunicação do ser humano.

Um artifício engenhosamente articulado ao longo dos tempos por conta de uma das mais importantes necessidades básicas do ser humano:

– Não perder tempo.

Nunca houve resultado mais prático para o processo de comunicação do ser humano do que o alcançado com a criação da abreviatura.

Uma abreviatura representa a intenção de se atingir a transmissão de uma ideia específica, independentemente do significado de cada uma das palavras que a compõe.

E por conta disso cada abreviatura acabou se tornando uma palavra.

E como toda palavra com um significado próprio.

Mas um significado só faz sentido se for entendido pelo ouvinte como um meio de atingir um entendimento maior.

E isso só será possível se esse ouvinte for capaz de interpretar esse nó:

– Uma amarração entre duas pontas de um mesmo fio.

Não importa como foi nosso começo:

– Pois se estamos vivos é óbvio que um dia nascemos.

Muito menos como será nosso fim:

– Pois se estamos vivos é inevitável que um dia morreremos.

O que realmente importa é o que ocorre no meio!

Uma coisa em que nada é óbvio nem inevitável.

Uma simplificação cuja cultura popular ao longo dos milênios acabou por consagrar como abreviatura o termo “vida”…

***

“Jamais corte o que pode ser desatado.” (Joseph Joubert)

 

DEUS: ALGUM EM SUA VIDA?

Não se engane!

Sempre haverá algum DEUS em sua vida…

Nossos corpos estão onde estamos; nossos espíritos são o que somos.

Nunca haverá motivação maior na vida de uma pessoa do que procurar agir de forma a atender às expectativas de seu DEUS: seja com o cérebro, seja com os joelhos.

Os ateus que me perdoem mas DEUS é fundamental!

Tão fundamental que não importa qual seja a religião de uma pessoa, ou mesmo a falta dela – pois na prática do dia a dia da vida todos têm um e procuram recorrer a ele com assiduidade diária, de uma maneira ou de outra.

Aliás, não só o procuram como o cultuam incessantemente, com vigor – principalmente nos momentos de dificuldades extremas, onde as agruras da vida nos impõem situações de absoluta desconexão entre o problema que nos é apresentado e nossa capacidade de resolvê-lo.

E nessas horas não há ser humano sobre a face da Terra que não procure como sua fonte de inspiração seu DEUS:

– Uma entidade a quem ele recorrerá sempre que se sentir sem condições de controlar a maneira como segue sua existência…

E por isso, todas as pessoas, ao longo de sua vida, sempre elegerão um DEUS para cultuar, adorar e recorrer a ele naqueles momentos de dificuldades em que mais precisam de uma fonte de inspiração para que seus problemas possam ser resolvidos, quaisquer que seja a origem desses problemas:

– Saúde;

– Família;

– Amor;

– Estudo;

– Emprego;

– Trabalho;

– Negócios;

– Dinheiro;

– Solidão;

– Morte…

E em todos e quaisquer momentos da vida em que sua mente seja povoada pelas angústias inerentes e inevitáveis a qualquer pessoa que esteja viva.

Mas há também aqueles que recorram a DEUS simplesmente por não conseguirem enxergar como as coisas funcionam na vida.

De qualquer maneira, jamais acredite na hipótese de, eventualmente, algum ser humano sobre a face da Terra não possuir uma crença em DEUS.

Isso, definitivamente, não existe: o que existirá sempre é uma interpretação pessoal e subjetiva sobre a realidade que cerca as pessoas – e a própria existência humana.

Em outras palavras, a capacidade que as pessoas têm de estabelecer um DEUS considerando aquilo que mais lhe pareça importante ou premente dentro do contexto em que se desenvolve sua vida:

– Há quem considere seu emprego como o sustentáculo do mundo – seu emprego é seu DEUS.

– Há quem considere a empresa em que trabalha como o sustentáculo do mundo – a empresa em que ele trabalha é seu DEUS.

– Há quem considere sua religião como o sustentáculo do mundo – sua religião é seu DEUS.

– Há quem considere o dinheiro como sendo sustentáculo do mundo – o dinheiro para ele é seu DEUS.

– Há quem considere não existir DEUS – ele próprio é seu DEUS.

DEUS representa em síntese a fonte primária de toda a motivação necessária para que alguém se proponha a fazer alguma coisa na vida:

– Desde tomar a iniciativa de assumir para si a responsabilidade de revolucionar o mundo com suas idéias, até a de tomar a iniciativa de se levantar da cama pela manhã para levar o saco de lixo para a porta de casa antes da passagem do caminhão de lixo.

Portanto, muito cuidado ao lidar com aqueles que se autodenominam ateus!

Pois inclusive eles, mesmo dispostos a convencer as pessoas que a vida não tem sentido em si, em última análise…

Também têm seu DEUS…

***

“Se DEUS não existisse, a gente precisaria inventá-lo.” (Fiodor Dostoievski)

 

POR QUE É IMPORTANTE OUVIR HISTÓRIAS

História:

– Quando se escuta o passado, torna-se mais fácil enxergar o futuro.

O que significa História?

O registro sistemático do passado.

Para quê?

Para não se correr o risco de se fazer as mesmas besteiras que alguém já fez.

E também para aprimorar os progressos atingidos por alguém que atingiu o sucesso em uma empreitada.

Por exemplo:

– Alguém, no pleno exercício de suas faculdades intelectuais, acha que Pedro Álvares Cabral foi o único navegante a se aventurar pelos oceanos do planeta em busca de novas rotas marítimas?

Pois saiba que não só ele não foi o único…

Como foi um dos poucos a chegar a “algum lugar”!

Muitos morreram antes dele.

E por quê?

Porque não tiveram a oportunidade de considerar o histórico de seus antecessores.

Foram ingênuos?

Foram imaturos?

Foram pretensiosos?

Claro que não! Nada disso – criticá-los agora seria simplesmente a mais completa manifestação de ignorância histórica.

Pois naquela época, as possibilidades de avaliação de tentativas passadas eram muito difíceis.

Estatísticas?

Em pleno ano de 1.500?

Me poupe!

Só quem não tem uma mínima percepção do contexto histórico da evolução da humanidade poderia considerar qualquer uma dessas alegações – ingenuidade, imaturidade, pretensão…

Pois se tratam de características que qualquer um que tenha o objetivo de alcançar o sucesso em sua atividade deve ter.

Qualquer um!

Não importa sua área de atuação:

– Física;

– Química;

– Biologia;

– Engenharia;

– Direito;

– Economia;

– Administração;

– Contabilidade;

– Publicidade;

– Comunicação…

O conhecimento do passado é imprescindível para que as pessoas possam tentar entender o porquê as coisas estão como estão, e procurar por alternativas que viabilizem o sucesso – seu sucesso.

Por isso é importante conhecer a história.

Sem esse conhecimento, não se há como ser capaz de diferenciar quando o que se ouve são histórias ou estórias…

Afinal, se Hitler tivesse efetivamente aprendido as lições da história, jamais teria tentado invadir a Rússia durante o inverno.

Pois ele saberia que a história já tinha registrado esse fracasso – Napoleão que o diga.

Já no caso de Hitler, graças a DEUS, ele nunca se interessou em ouvir histórias…

Por que é importante ouvir histórias? Para ao conhecê-las refletir sobre seu contexto e tentar evitar cometer os mesmos erros que outros já cometeram.

E isso vale tanto para assuntos que se referem à administração de uma nação quanto a assuntos que se referem à simples rotina do dia a dia de um mero aldeão.

Pois história não é cemitério: é maternidade…

***

“História nos ensina os erros que vamos cometer.” (Laurence J. Peter)

 

MATEMÁTICA EU SEI DE MENAS, MAS NO PORTUGUÊS EU SE GARANTO

Quando ouvi pela primeira vez em minha vida essa frase emblemática relutei com todo vigor de minha alma acreditar que ela pudesse ter sido proferida por alguém um dia.

Tamanha a incoerência da semântica em sua suposta lógica juvenílica:

– Matemática eu sei de menas, mas no português eu se garanto!

Como é que alguém poderia dizer que não sabe matemática, e ao mesmo tempo afirmar se sentir seguro no exercício do idioma pátrio, isso num texto tão curto e ao mesmo tempo tão contaminado por erros de português?

Porque matemática é mais importante do que o idioma.

Matemática: por que ela é tão importante na vida das pessoas?

Matemática, concomitantemente ao ensino do idioma pátrio do país em que uma pessoa nasceu (no nosso caso, o português), representa a estrutura básica de qualquer processo de educação minimamente condizente com a formação de cidadãos.

Não ser capaz de ler nem sequer uma única palavra do que quer que lhe seja apresentado à sua frente representa, no mínimo, o carimbo de incapacidade de locomoção.

De avaliação, de decisão.

Um estrangeiro sem as garantias legais dos deficientes físicos…

Só que o exercício de um idioma propicia um artifício singular dentro do contexto das relações humanas.

Uma pessoa pode até ser analfabeta, mas…

Se souber “enrolar”, ela até pode se dar bem!

Pois o fato de ser analfabeta não significa não saber se comunicar.

Estar na condição de analfabeto impõe limitações na leitura e na escrita.

Mas nenhuma imposição da audição e na fala!

Conheci copeiras analfabetas (ou semi) que se desdobraram de tal maneira que aprenderam a se comunicar com tanta destreza que provocavam admiração (e muitas vezes inveja) nas pessoas que eram servidas por elas.

Supostamente “superiores”:

– Encarregados…

– Gerentes…

– Diretores…

De onde vinha essa capacidade ímpar em transmitir a seus ouvintes uma mensagem com tamanha ênfase a ponto de despertar sua admiração coletiva?

A consciência de que a maioria das pessoas não possui raciocínio matemático.

Raciocínio matemático implica em objetividade:

– 8 (+) 1 (=) 9;

– 9 (-) 4 (=) 5;

– 4 (x) 2 (=) 8;

– 6 (/) 2 (=) 3…

Enrolar?

Como?

O conhecimento da matemática, ou pelo menos o domínio de suas premissas básicas, impõem às pessoas um condicionamento mental que invariavelmente entra em choque com tudo o que de mais pueril possa existir nas relações humanas:

– Falar sem dizer…

O que, aliás, pode até explicar essa aversão generalizada à matéria.

Afinal, os números não mentem; mas os mentirosos fabricam números…

PORQUE A CONTABILIDADE É IMPORTANTE PARA A VIDA

Por que escrevo tanto sobre contabilidade?

Por uma questão pessoal de compromisso com o progresso.

Um objetivo pessoal assumido perante a pessoa que considero como sendo a mais importante do Universo:

– Eu mesmo…

Antes de mais nada, vale destacar que a contabilidade é uma das poucas ciências que possui pai e mãe:

– A Matemática;

– O Direito.

O pai é a Matemática:

– Sistemático, focalizado em consequências.

A mãe é o Direito:

– Sensível, focalizada em causas.

E qual a consequência da combinação da Matemática com o Direito?

A constatação de que quando suficientemente esclarecidos, não existe ninguém melhor para orientar os filhos do que seus próprios pais.

Pois não há orientação mais paralisante na vida de uma pessoa pensar que o progresso surge do nada.

Que o que quer que ocorra em sua vida seja sempre simplesmente obra do acaso.

Claro que o acaso ocorre – todos os que nasceram são prova disso.

Afinal, não fosse assim, homens e mulheres jamais se relacionariam!

Quanta empolgação…

Só que a contabilidade ensina que a vida vai muito mais além de um momento de pura empolgação.

Tão além que se torna inevitável dizer que a fantasia de ontem nem sempre poderá ser a realidade de amanhã:

– Imagine que alguém tenha como ganho mensal $100;

– E que o gasto mensal desse mesmo alguém seja $150;

– Qual o resultado no final do mês?

O resultado é que esse alguém vai ter de dormir durante o mês mais do que deveria, para fazer com que em sua vida haja mais sonhos do que PESADELOS

***

“Nós estamos no meio de uma corrida entre a habilidade humana quanto aos meios e a tolice humana quanto aos fins.” (Bertrand Russell)

 

I DON’T LIKE MONDAYS

Segunda-feira:

– Dia internacional da vontade de comer sem ter fome!

Peraí:

– Vontade de comer?

Sim; não basta ter fome.

É preciso ter vontade de comer!

Vontade de comer faz com que uma pessoa simplesmente procure a satisfação de um instinto – afinal, come-se qualquer coisa, quando se está com fome.

Já quando se gosta de algo, isso faz com que uma pessoa direcione suas atitudes para satisfazer uma autorrealização pessoal:

– Física;

– Mental;

– Espiritual;

– Social;

– Profissional…

Uma necessidade real.

Não simplesmente por conta de necessidades fisiológicas impostas por quem quer que seja – inclusive a natureza.

Afinal, todo mundo já ouviu algo parecido:

– Segunda-feira vou procurar um novo emprego…

– Segunda-feira vou começar uma dieta…

– Segunda-feira vou me matricular num novo curso…

– Segunda-feira vou parar de fumar…

– Segunda-feira vou começar a correr…

– Segunda-feira vou…

Vai, é?

Segunda-feira se tornou o dia internacional da…

Auto-ilusão!

Dia que as pessoas determinam como sendo o começo de uma virada que, efetivamente, a absoluta maioria delas simplesmente não tem a mínima propensão em fazer!

Seja por conta de seus princípios de vida.

Seja por conta de seu subconsciente.

O fato é que procuram transmitir aos que as cercam que vão procurar por objetivos que não lhe trazem nenhuma sensação de retorno, que significa simplesmente uma compensação interna pelo prazer que perdem ao deixar de fazer o que gostam.

E por conta disso, onde chegam?

Chegam na seguinte situação:

– “Segunda-feira: eu não gosto de segundas-feiras…”

Sobre isso, há um videoclipe muito interessante:

– “I Don’t Like Mondays”, por Boomtown Rats…

Um belo videoclipe sobre gostar.

Você gosta de segundas-feiras?

Se não gosta, provavelmente é porque está no trabalho errado…

E quem é que não está, em algum momento da vida?

Faz parte do aprendizado.

Faz parte da vida.

Ou, se preferir, da acumulação de experiências profissionais.

Tão imprescindível a qualquer profissional quanto o ar que se respira.

Mas vai daí que um dia tudo muda ou pelo menos você decide que tudo tem de mudar – inclusive seu emprego.

E você passa a achar que as “segundas-feiras” são um tédio.

São um karma…

São um… Um… Um?

Afinal, o que é uma segunda-feira?

Talvez seja tudo, talvez seja nada; ou talvez seja apenas…

Algo que você tenha de aprender a como sobreviver a ela…

***

 

CLICHÊ

Quando foi a última vez que você falou alguma coisa que você não ouviu?

Todo mundo já ouviu alguma coisa que se tornou um clichê.

Que se tornou parte do universo da cultura moderna, justamente pelo fato de ser inevitavelmente incontestável na cabeça da maioria das pessoas que a ouvem.

O universo do cinema ajudou e muito a sacramentar o uso desse recurso.

Um recurso conveniente quando há a necessidade de se preencher lacunas de diálogo em que a lógica não facilita a exposição de idéias, conceitos ou princípios.

Só que a cultura do cinema extrapolou suas próprias fronteiras , criando uma nova realidade em que as pessoas falam independentemente de terem algo a dizer.

Pois simplesmente falar não significa ter algo a dizer.

E não existe coisa mais chata no dia a dia de nossa vida do que ter de ouvir alguém que fala a esmo, sem nada dizer.

Clichê?

Um autêntico recurso de quem não possui nenhuma originalidade.

Apenas uma palavra, uma frase ou um slogan.

Que necessariamente pode não significar nada para quem a pronuncia.

E é justamente por isso que quando alguém recorre a um clichê ele está simplesmente recorrendo a um artifício preguiçoso.

Preguiçoso no sentido que não há qualquer esforço de pensamento:

– Raciocínio;

– Avaliação;

– Reflexão;

– Interpretação;

– Conclusão….

Quem usualmente recorre a um clichê não está interessado em interpretar de modo objetivo como efetivamente o mundo funciona.

Clichê antes de tudo tem a ver com tudo.

E justamente por isso com nada.

Por embaralhar tudo com todos, independentemente de qualquer análise específica.

Clichê não tem nada a ver com isso.

Nem com aquilo.

Aliás, clichê não tem nada a ver com nada, especificamente.

O que significa clichê?

Um recurso de quem gostaria de dizer algo, sem ter de raciocinar sobre o que de fato está dizendo…

***

“Uma ideia medíocre que desperta entusiasmo irá mais longe do que uma grande ideia que não inspira entusiasmo algum.” (Mary Kay Ash)

 

CAPITAL DE GIRO

Capital de giro?

O dinheiro disponível que um negócio tem para garantir a continuidade de suas operações.

Num sentido prático, capital de giro significa simplesmente o dinheiro suficiente para pagar contas do dia a dia das operações de qualquer pessoa.

Não importa se uma pessoa física ou jurídica.

Pois todos têm contas a pagar, não importa se um porteiro ou uma gigante multinacional.

Contas como:

– De água;

– De energia;

– De telefone;

– De aluguel;

– De fornecedores;

– De impostos…

E de tantas outras mais que pululam exacerbadamente na condução de qualquer negócio.

Capital de giro pode ser representado em termos matemáticos como sendo o resultado de uma simples equação:

– Ativo circulante [-] Passivo circulante.

Onde:

– Ativo circulante representa os recursos disponíveis para utilização a curto prazo; e,

– Passivo circulante representa as obrigações a serem necessariamente cumpridas dentro do mesmo prazo.

Então, vamos lá:

– Em 30 dias (um período aleatoriamente determinado para fins didáticos) uma pessoa (ou empresa) espera ter como recursos (ainda que não disponíveis hoje) R$ 100.000,00;

– Nesses mesmos 30 dias (o mesmo período de avaliação), uma pessoa (ou empresa) tem de necessariamente honrar o pagamento por dívidas no valor de R$ 120.000,00.

Nessas circunstâncias, qual seria o capital de giro dessa pessoa (não importa se pessoa física ou jurídica)?

Seria simplesmente?

– Nenhum…

Aliás, não só não seria nenhum como seria negativo – pois ao final dos 30 dias já é possível  se antever a insuficiência de recursos em caixa para se fazer face às obrigações:

– Vão faltar R$ 20.000,00 no final do mês para pagar as contas…

Fazer o quê?

– Recorrer a empréstimo bancário; ou…

– Assumir a inadimplência?

E aí, como é que fica a viabilidade do negócio?

A sobrevivência de um negócio muitas vezes não tem relação com seu objeto social, seu produto ou a tecnologia necessária para implantá-lo.

Na realidade na maioria das situações a sobrevivência de um negócio está simplesmente relacionada à capacidade de seu gestor em admitir que suas receitas são incertas…

Mas suas despesas, inevitáveis!

Capital de giro, resumidamente, é isso:

– A caixa d’água de uma casa que vai permitir a seu morador lavar os pratos, tomar banho e dar a descarga no vaso sanitário mesmo quando houver racionamento de água por conta da falta de chuvas nos reservatórios…

***

“Economia frequentemente não tem relação com o total de dinheiro gasto, mas com a sabedoria usada ao gastá-lo.” (Henry Ford)

 

AS MULHERES SEMPRE DOMINARAM O MUNDO

Uma das maiores distorções da sociedade moderna é procurar transmitir a ideia de que as mulheres são vítimas de uma sociedade machista.

A sociedade nunca foi machista.

O mundo é que sempre foi simplesmente cruel.

Desde os primórdios da humanidade – a pré-história.

A vida sempre foi difícil para mulheres, dinossauros, homens, mamutes, australopitecos – ou quem quer que estivesse disposto a lutar pela sobrevivência.

E quando se luta pela sobrevivência, a regra é clara:

– Quem é que vai me livrar dessa?

E foi assim, sempre assim – tanto que as mulheres, do alto de sua sapiência determinaram a seus homens:

– Enfrente o mundo lá fora e traga comida para prover sua família do devido sustento!

Ao que os homens responderam:

– Mas querida, o mundo lá fora é totalmente indiferente, insensível, violento, hostil, cruel… Como vou conseguir sobreviver nesse ambiente de guerra contínua, injusta, e sem qualquer padrão de convivência moral, ética ou filosófica?

O que elas responderam?

– Eu consegui sobreviver ao parto de cada um de todos os seus filhos; o que significa uma guerra perto disso?

E lá se foram todos os homens cumprir seu papel:

– Mutilando;

– Matando;

– Morrendo…

Num época em que não havia qualquer forma prática de respeito pela vida:

– Band-aid;

– Água oxigenada;

– Merthiolate;

– Horas extras em dobro;

– Férias remuneradas;

– FGTS;

– Auxílio desemprego;

– Aposentadoria;

– Celular;

– Os Simpsons…

A sabedoria das mulheres sempre foi muito superior à dos homens.

Ontem, hoje e sempre.

E continuará sendo assim durante muito tempo.

Pois agora elas se deram conta de que é a hora de abandonar o padrão adotado lá atrás, ao longo de décadas, séculos, milênios…

Com o mundo mais fácil sem leões nas ruas e carteira de trabalho assinada, chegou a hora de sair da casinha!

A mulher sempre dominou de maneira subliminar ao longo de toda história a existência humana.

E ainda assim se atribui a existência do machismo aos homens?

Como se os homens fossem responsáveis pela concepção, criação e educação de seus filhos ao longo da história da humanidade…

Entendeu a ironia dessa afirmação?

Por favor, diga que entendeu.

Senão, vou contar para minha mãe!

Afinal, em tempos como este é bom procurar se lembrar que sempre houve tempos como este…

 

STROGONOFF DE FRANGO

Quer saber como preparar um strogonoff de frango?

Tenha método.

Tenha cuidado.

Tenha fé…

A mais realista tradução da gastronomia sobre o que significam os negócios.

Eis os ingredientes da receita gastronômica – e seus equivalentes no mundo dos negócios:

– Óleo – a dificuldade de se comunicar com seu entorno;

– Cebola picada – os desvios de atenção;

– Frango em cubos – o empreendedor, entre a realidade e o sonho;

– Sal – aqueles que acham que tudo sempre vai dar no mesmo;

– Molho de tomate – as armadilhas pelo que parece ser trivial;

– Catchup – o palpite de quem não quer seu sucesso;

– Mostarda – o palpite de quem quer seu fracasso;

– Champignon – aqueles que não estão nem aí com o frango;

– Creme de leite – o Estado, aquele ente que domina o imaginário das pessoas por supostamente ter sido criado para fomentar o bem comum de seus membros, mas que só sabe impregnar tudo com barreiras, entraves, desvios, anomalias e burocracias, fazendo qualquer empreendedor patinar, sempre com o objetivo de seu controle total e inequívoco sobre tudo e todos…

E então, o que achou?

Gostou da receita?

Se gostou, curta.

Se não gostou, reflita:

– Alguma vez ao longo de sua vida você parou para pensar se o frango gosta de ser comido?

Pois é exatamente esta a realidade do mundo dos negócios:

– Uma receita em que se os ingredientes não forem bem dosados, não serão bem digeridos..

E receitas são como negócios; cada um entra com os ingredientes que tem.

Por isso, procure prestar muita atenção em cada item de uma receita.

Será que todos os negócios que nos propõe são maus, porque se fossem bons não nos proporiam…?

 

GRITO

GRITO:

– Som de voz agudo e muito elevado, emitido com esforço e de modo que se possa ouvir ao longe; exclamação sonora e forte para chamar alguém, pedir socorro ou exprimir sensação de dor, espanto, raiva, alegria ou qualquer outra emoção forte; berro, brado; clamor.

Mas, afinal:

– Quando é que ele é necessário?

– Quando ele se torna imprescindível?

– Quando alguém faz alguma coisa sem pensar?

– Quando alguém pensa alguma coisa sem fazer?

Quem é que gosta de ouvir um grito?

– Não grite comigo! Não sou sua empregada doméstica!

Quer dizer que se alguém fosse uma empregada doméstica seria admissível gritar com ela?

De onde saiu a idéia de que se possa gritar com a empregada?

Por acaso, uma empregada doméstica gosta de ouvir alguém gritando com ela?

Quem é que gosta de alguém soltando um grito em seus ouvidos?

Qualquer que seja o falante, seu pensamento nunca deveria precisar recorrer ao artifício pré-histórico de procurar se impor por meio de um grito – a menos que ele não possua argumentos suficientes que possam justificar sua maneira de pensar.

E pensar tem sido uma das tarefas mais árduas no contexto das atividades rotineiras do ser humano.

A ponto de a maioria simplesmente abrir mão de seu exercício.

E deixar se levar pela vida do jeito que a vida os leva…

***

“Guerra é apenas uma fuga covarde para problemas da paz.” (Thomas Mann)

 

POLITICAMENTE CORRETO

Politicamente correto?

A neutralização de uma linguagem ou discurso, evitando o uso de narrativas estereotipadas ou que possam fazer referências a diversas formas de discriminação existentes, como o racismo, o sexismo, a homofobia e etc.]

Imagine a seguinte situação:

– Uma pessoa qualquer, homem ou mulher, ao passar defronte à sua casa, resolve se abaixar, baixar as calças, ou levantar as saias, e…

Defecar.

Sem qualquer cerimõnia.

Numa situação como essa, o que prescreve a cartilha do politicamente correto?

– Jamais constranja outro alguém por conta de suas próprias convicções.

Ou seja:

– Qualquer um pode fazer o que quiser, em qualquer lugar, a qualquer tempo.

Em outras palavras:

– Não pense! Já decidimos tudo o que consideramos ser importante para você em sua vida…

Uma cartilha formulada por pessoas que pretensiosamente se auto intitulam cada uma delas segundo o seguinte princípio:

– Sou o salvador do mundo.

Trata-se de um grupo que se julga superior social, intelectual e mentalmente ao restante de seus pares, os quais seriam os demais seres humanos.

Quaisquer que sejam eles.

A cartilha do politicamente correto estabelece o suprassumo da escravidão no processo de comunicação humana, em que tudo o que é falado deve ser avaliado em função dos princípios das pessoas que a formularam.

Independentemente das experiências pessoais que qualquer pessoa tenha vivido.

Quer saber na prática o que significa ser politicamente correto?

Significa esquecer, abdicar, abandonar…

Tudo o que uma pessoa viu, ouviu ou sentiu ao longo de sua vida – incluindo as pessoas responsáveis por essas experiências:

– Seus pais;

– Seus amigos;

– Seus professores;

– Seus chefes:

– Seus amores…

O politicamente correto empobrece de tal maneira a essência da vida em sociedade que fica muito difícil a qualquer pessoa que possua um mínimo de capacidade analítica concordar com a maneira como as coisas estão seguindo no mundo – um mundo do faz de conta, onde não existe:

– Desemprego:

– Fome;

– Miséria;

– Violência;

– Decepção;

– Contrariedade;

– Covardia;

– Frustração;

– Contradição;

– Oportunismo;

– Cadeia alimentar…

Ah! Para com isso!

O mundo sempre foi politicamente incorreto – a começar pela própria natureza!

E não deixará de ser enquanto aqueles que apregoam o politicamente correto não deixarem de se manifestar de maneira tão hipócrita.

Pois não há nada mais hipócrita do que alguém se apresentar como defensor dos menos favorecidos pela sorte e comer carne.

Ou alguém acha que o frango gosta de ser comido?

E daí? Estou levantando a bandeira dos vegetarianos? Dos veganos?

Nem de um, nem do outro – apenas a bandeira da liberdade:

– Liberdade de expressão.

Politicamente correto:

– Um truque criado de maneira civilizada para destruir de maneira selvagem tudo o que não se gosta.

Para melhorar o mundo, ou pelo menos tentar torná-lo um lugar menos problemático para o convívio entre seus membros, é imprescindível deixar as pessoas exporem suas idéias.

E serem capazes de expor suas experiências e tentar convencer quem as ouve.

Pois se até o joio e o trigo convivem lado a lado é porque nem a natureza foi tão pretensiosa a ponto de procurar estabelecer o que deveria ser considerado como politicamente CORRETO

Afinal, esperar que o mundo o trate bem porque você diz ser uma boa pessoa é semelhante a esperar que um touro não o ataque só porque você se apresenta como vegetariano…

 

EXÓRDIO?

O que significa exórdio:

– O início de um discurso; um preâmbulo, prólogo, proêmio…

Exórdio tem a ver com tudo aquilo que, de uma maneira ou de outra, vem no começo, no princípio, na origem…

Uma ideia, um pensamento, um lampejo de introvisão…

Enfim, não importa qual seja sua fonte de inspiração, muito menos de onde ela venha.

Importa que seja a apresentação de algo novo, com o objetivo de sintetizar uma idéia maior, mais profunda e justamente por isso mais complexa.

O que de per si justificaria essa predisposição, ou necessidade, de um resumo de seu conteúdo.

Seja lá o que esse conteúdo queira dizer…

***

“No princípio, DEUS criou o céu e a terra…” (Gênesis)

 

FILOSOFIA?

O que significa filosofia:

– Amor pela sabedoria.

E o que significa o amor pela sabedoria?

Ser capaz de ouvir respostas surdas a perguntas gritantes:

– Será que a vida é uma piada que não entendemos?

Porque ninguém conta uma piada que não pensou que fosse uma piada.

– Se a vida for realmente um piada, quem é que está se divertindo?

Porque ninguém está onde não está.

– Se a vida é só uma viagem, não um destino, por que é que não paramos de pensar sempre em nosso destino?

Porque ninguém pega uma estrada que sai do nada e leva a lugar nenhum.

– Se a vida é só ser ou não ser, de que adianta questionar?

Porque ninguém questiona quando não procura por uma exceção.

– Se em tudo na vida há uma exceção, esta afirmação seria uma exceção?

Porque se ela for uma exceção, isso significa que há uma regra em que não há exceção.

E se há uma regra que não há exceção, então a regra está errada.

O que isso tudo significa?

Significa apenas que Filosofia nada mais é do que a assunção consciente da própria ignorância.

Com o objetivo de elevar um eventual estado de ignorância a um nível mais alto.

Para passar a entender melhor, ou pelo menos mais claramente, o mundo a seu redor.

Pois em última análise, Filosofia representa simplesmente o exercício de correlação entre:

– Teoria e prática;

– Causa e efeito;

– Imaginação e realidade…

Filosofia representa uma ferramenta para nos ajudar a enfrentar os dilemas da vida – aquelas circunstâncias em que nos vemos obrigados a ter de optar entre o menor de dois males.

Uma situação a que estamos expostos corriqueira e incessantemente ao longo de nossas vidas:

– Entre a merda e o cocô, prefira o cocô.

O que isso significa?

Significa que antes de optar, procure entender a diferença entre eles!

Sempre procurando a sabedoria baseado na filosofia!

Afinal, não há nada em uma lagarta que diga que ela se tornará uma borboleta…

 

THINK TANK?

O que significa think tank:

– Pensar no dia a dia da vida como se estivéssemos em guerra…

Para podermos viver em paz!

Primeiramente, numa tradução livre, think significa… Pensar!

E tank significa… Tanque!

Numa combinação óbvia e simplória, think tank seria uma alusão a aqueles tanques de guerra que nos acostumamos ver em filmes…

Think Tank tem a ver com estratégias de guerra!

Um termo que surgiu durante a segunda grande guerra, quando oficiais do exército americano se reuniam em uma sala para justamente discutir suas estratégias – seu think tank.

Só que o tempo passou, passou – e o termo acabou por se consagrar.

E acabou por se tornar uma referência na análise de problemas nas mais variadas áreas: política, economia, ciência, tecnologia…

Pense, mas pense grande – o que significa pensar com profundidade!

O que, no mundo atual, não deixa de ser uma iniciativa ousada.

Diria até pretensiosa.

Ou, mais do que isso…

Numa época em que a maioria das pessoas só podia abrir a boca para falar depois de pensar…

Revolucionária até – pelo menos, considerando-se o padrão dos dias atuais:

– Pense grande, mas pense como um tanque – com profundidade!

Uma sugestão um tanto quanto que profana.

Afinal, não há nada mais profano na sociedade atual do que sugerir a uma pessoa ela pensar grande.

E principalmente pensar com profundidade!

Ou, em outras palavras…

Think tank

***

“Pensar é se mover no infinito.” (Henri Lacordaire)

 

AHAM, UHUM… AHAH!

Aham…

Uhum…

Ahah…

Afinal, o que isso tudo significa?

Significa apenas que independentemente de todo o processo de evolução do ser humano ao longo dos milênios, ainda continuamos a nos comportar como nossos ancestrais; sim, aqueles:

– Os das cavernas.

Quando não havia ainda o conhecimento necessário para que eles pudessem tentar transmitir seus pensamentos por meio de palavras.

Recorrer à internet, ou mesmo quiçá a um dicionário, na era das cavernas?

Naquelas priscas eras, a existência do ser humano não se diferenciava muito da de qualquer animal.

Um animal qualquer; que tal, como exemplo, um cachorro?

E o que faz um cachorro?

– Au.

– Au…

– Au!

Percebeu?

A mesma expressão, com três diferentes entonações.

O que significa que cada uma delas possui um significado específico.

E suficientemente perceptíveis entre aqueles que compartilham dos mesmos pensamentos quanto a seu significado.

Um cachorro sabe quando outro está latindo por fome; e quando está latindo por sede.

Só que quando ouvimos alguém tentando expressar seus pensamentos por meio dessas expressões, e tantas outras mais,  estamos inevitavelmente diante de alguém que simplesmente não sabe como transmitir seus pensamentos no momento em que eles estão ocorrendo?

Não, nem sempre.

Muitas vezes estamos simplesmente diante de pessoas em situações em que elas não sabem, não querem ou não se importam se seus pensamentos se apresentem aos seus ouvintes de maneira suficientemente clara.

Ou, em outras palavras, traduzir o que se passa em seu pensamento por meio de…

Palavras!

Pois muitas vezes traduzir pensamentos por meio de palavras específicas pode ser muito arriscado – a tal ponto de nos fazer esquecer que também somos apenas mais um dentre tantos outros  animais.

Seres humanos são animais.

A diferença dos outros animais é que são racionais.

Bem, pelo menos racionais conceitualmente.

Todo ser humano nasce analfabeto, certo?

Será que ainda poderia haver alguma dúvida sobre isso?

Claro que não.

A dúvida que pode surgir reside no cerne da condição em que se manifesta o verdadeiro problema, que é o de constatar que se em sua existência alguém se mantiver tentando transmitir seus pensamentos sem uma articulação verbal minimamente inteligível para quem quer que a esteja ouvindo, esse alguém corre o sério risco de morrer na mesma condição em que nasceu:

– Analfabeto!

AHAM…?

***

“Para compreender as pessoas, devo tentar escutar o que elas não estão dizendo e o que elas talvez nunca venham a dizer.” (John Powell)

 

SUCESSO

Sucesso?

Para quem anda muito engajado na árdua tarefa de alcançar o sucesso em sua vida, vai aqui uma dica crucial para contribuir de maneira significativa nessa sua busca ingrata:

– O sucesso na vida de uma pessoa é resultado de um processo da avaliação…

De outras pessoas!

Sucesso não é algo que definido por quem o procura.

Nunca foi, nem nunca será.

Pois não depende somente dos objetivos de quem procura alcançá-lo – fosse assim, bastaria convicção e persistência.

Mas sim, de quem olha quem o está procurando.

Sucesso tem a ver com o resultado de um mecanismo de raciocínio, por vezes, distorcido.

Mas efetivo:

– A imagem que as outras pessoas tem a seu respeito.

E é por isso que, para se alcançar o sucesso, é muito importante estar atento ao que ocorre ao seu redor.

Mais precisamente, nas pessoas que se encontram nesse entorno:

– Familiar;

– Escolar;

– Profissional;

– Social;

– Sentimental…

Serão, de um jeito ou de outro, as pessoas que fazem parte de cada uma dessas áreas de sua interação pessoal que viabilizarão, ou não, a possibilidade de seu sucesso.

E não levar em consideração a avaliação delas poderá representar simplesmente o fracasso.

Pois não é o cantor quem determina o sucesso de sua canção!

Mas sim o público que comparece ao show, demonstrando sua devoção.

Eis o que é sucesso – em cinco passos:

– Identifique quem são as pessoas importantes na avaliação de seu desempenho na vida;

– Identifique as necessidades e, principalmente, as expectativas dessas pessoas;

– Procure por respostas diretas dessas pessoas (feedback);

– Procure por sinais ao redor que indiquem uma referência objetiva e direta, que indiquem o que elas efetivamente pensam sobre seu desempenho;

– E, finalmente, imagine-se sendo o chefe delas… 

Por fim, é imperioso realçar de maneira bem clara um conceito básico de vida que praticamente se perdeu na sociedade atual:

– Sucesso não tem nada a ver com felicidade.

Se é sucesso o que você procura, eis acima nossas dicas.

Agora, se você estiver procurando por dicas sobre felicidade, tenha sempre em mente:

– Seu sucesso depende da avaliação dos outros;

– Sua felicidade depende só de sua avaliação…

***

“O mais importante ingrediente na fórmula do sucesso é saber lidar com as pessoas.” (Theodore Roosevelt)

 

LIVRE INICIATIVA?

O que significa livre iniciativa:

– A capacidade do ser humano de se manter vivo.

Ao longo de milênios, a condição de vida sobre a face da Terra sempre foi árdua, tênue e problemática, qualquer que seja a espécie em questão.

Seja ela qual for: o mundo nunca foi propício para a sobrevivência de acomodados – aqueles que esperam que alguém, ou alguma coisa, garanta sua subsistência sem que por ela tenham procurado.

Quem algum dia possuiu alguma garantia de sobrevivência sobre a face da Terra?

– As baleias?

– O mico-leão?

– Os dinossauros?

– O ser humano?

Por que será que é tão difícil para a maioria das pessoas entenderem o real significado do legado de Charles Darwin?

Porque essas pessoas não fazem a menor idéia de como era a vida antes da tecnologia moderna:

– Não lêem sobre a História;

– E não fazem a menor idéia do que significa Pré-história.

E Charles Darwin, mesmo sem dispor de quaisquer recursos tecnológicos foi capaz de identificar com profunda precisão que pouco importa o que esteja ocorrendo a seu redor:

– Você será sempre responsável por sua sobrevivência.

Um resumo nada sutil, mas eminentemente prático, sobre a ‘Teoria da Evolução das Espécies’:

– O mundo é o mesmo para todos, independentemente da carcaça que envolve seu espírito.

É nossa capacidade de adaptação a esse mundo que todos nós compartilhamos que fará de nós sobreviventes, ou fósseis.

Acreditar que o “laissez-faire” foi uma invenção dos franceses é como acreditar que Jesus Cristo foi batizado por papai Noel.

Independentemente do que apregoem as teorias ideológicas de extrema esquerda não há como contestar a realidade do dia a dia da vida de quem quer que seja:

– Leões!

– Furacões!

– Tubarões!

– Enchentes!

– Vírus!

– Tornados…

E os dinossauros, onde entram nisso?

Não entram, já que por sua absoluta incapacidade de adaptação ao mundo como ele era, e ainda é filosoficamente falando, foram simplesmente extintos.

E o que é necessário para se adaptar ao mundo, tal qual ele se apresenta?

A iniciativa – nossa livre iniciativa.

Desde que nos seja mantida essa condição de ser humano.

Afinal, alguns homens veem as coisas como são e dizem:

– Por quê?

Eu sonho com as coisas que nunca foram e digo:

– Por que não?

 

CARISMA

Carisma não vem com dinheiro…

Atrai dinheiro!

Carisma não vem com cultura…

Atrai cultura!

Carisma não vem com a liderança…

Atrai liderança!

Carisma não é outra coisa senão uma característica de personalidade.

Uma característica às vezes nem tão natural ou espontânea, em que essa pessoa apresenta uma capacidade impressionante:

– A de influenciar as demais pessoas a seu redor…

E por que impressionante?

Porque todo aquele que possui carisma desperta nas demais pessoas a seu redor:

– O interesse delas em ouvi-lo;

– O interesse delas em vê-lo;

– O interesse delas em estar com ele…

E por que se dá esse interesse de outras pessoas?

Por conta da maneira de ser de uma pessoa que tem carisma.

A pessoa que tem carisma consegue arregimentar “batalhões de soldados” – sem nunca precisar ir para a “guerra”!

Ter carisma significa não precisar justificar o que faz – significa apenas fazer…

Independentemente de suas reais intenções:

– Ao falar;

– Ao ouvir;

– Ao influenciar…

Pessoas como, por exemplo:

– John Kennedy;

– Fidel Castro;

– Winston Churchil;

– Jucelino Kubitschek;

– Steve Jobs;

– Benito Mussolini;

– Martin Luther King;

– Jânio Quadros;

– Ayrton Senna;

– Adolf Hitler…

Notou algo de estranho na lista de exemplos de pessoas com carisma citada acima?

Reflita sobre o perfil popularmente difundido sobre as pessoas citadas:

– Sua área de atividade;

– Seus interesses;

– E, principalmente, seu legado…

Como é que pessoas tão diferentes entre si conseguiram (e algumas ainda conseguem até hoje, mesmo muitos anos depois de sua morte) influenciar tantas outras pessoas?

Independentemente de seu legado para a sociedade?

Afinal, algumas delas não são e jamais poderão ser consideradas como exemplo de retidão de comportamento social.

(Obviamente desnecessário citar quais dentre as citadas acima seriam essas pessoas)

Carisma tem a ver com a capacidade de alguém arregimentar pessoas como ovelhas – sem que nunca essas pessoas enxerguem nesse alguém um lobo!

Carisma não é algo assim tão fácil de se desenvolver, e principalmente de se entender, considerando-se a maneira como a sociedade atual segue.

Pois requer uma capacidade de sentimento que pode até ser considerado um tanto quanto mórbido.

Afinal, qual a principal característica a ser desenvolvida por alguém que quer ser considerado como uma pessoa de carisma?

– Aprender a argumentar – a ponto de nunca mais precisar ter razão…

***

“Homens são como estrelas; alguns geram sua própria luz, enquanto outros refletem o brilho que eles recebem.” (Jose Marti)

 

DISPONIBILIDADE?

Disponibilidade: a condição de algo, ou alguém, estar à disposição para ser usufruído quando requisitado.

Disponibilidade, em contabilidade, refere-se à classificação que se faz nos balanços patrimoniais de uma sociedade de todos os ativos que possam imediatamente ser utilizados, independentemente de qualquer restrição, seja ela contratual ou operacional.

Restrição contratual?

Imagine que uma entidade qualquer tenha efetuado uma aplicação financeira cuja carência para resgate seja de 180 dias; no dia seguinte à aplicação, o que temos? Um ativo atrelado a uma restrição que impossilita sua utilização imediata.

Restrição operacional?

Imagine que uma entidade qualquer possua máquinas, equipamentos, móveis, utensílios, estoques; todos eles representam bens e direitos (ativos) à disposição de suas operações, mas não de maneira imediata no sentido financeiro, já que qualquer um deles, para que sejam convertidos em dinheiro vivo dependem de não só de a entidade se dispor a colocá-los à venda como, principalmente, a entidade encontrar quem se disponha a comprá-los – o que, efetivamente, não está sob seu controle.

Em contabilidade o conceito de disponibilidade está diretamente relacionado ao conceito de liquidez, onde um ativo só será considerado como tal quando sua conversão em dinheiro seja imediata.

Essa é a chave do conceito: disponibilidade, no balanço patrimonial de qualquer entidade representa dinheiro, ou equivalente:

– Caixa;

– Contas-correntes bancárias;

– Aplicações financeiras de liquidez imediata (ou seja, aquelas sem limites de carência).

O saldo da conta de disponibilidade no balanço de qualquer entidade não significa necessariamente garantia de sua capacidade de solvência ou continuidade.

Mas ajuda e muito na avaliação por terceiros de sua capacidade pagar as contas no final do mês.

O que significa disponibilidade?

Estar em condição de buscar hoje sua felicidade.

E de visualizar condições de um dia pagar suas promessas…

***

“Felicidade é um fluxo de caixa positivo.” (Fred Adler)

 

VERDADEIRA SABEDORIA

De onde saiu a idéia de que existe uma verdadeira sabedoria?

Saiu obviamente de alguém que simplesmente disse um “obrigado”.

Pois haverá momentos na vida em que um simples “obrigado” será uma manifestação plena de sabedoria.

Em outros momentos, nem tanto – e isso sempre vai depender tanto de quem diz quanto de quem escuta.

A alguém que diga estar com úlcera…

O que custa responder que talvez possa estar com azia?

A alguém que diga estar com um tumor na garganta…

O que custa responder que possa estar rouco?

A alguém que diga que está se separando…

O que custa responder que talvez ainda não saiba direito o que significa amor?

A alguém que diga que está desempregado…

O que custa responder que talvez esteja infeliz no emprego?

A alguém que diga que tem dificuldades com a gramática…

O que custa responder que talvez nunca saiba direito quando a palavra “porque” leva acento?

A alguém que diga que a vida profissional não tem sentido…

O que custa responder que talvez ainda esteja entendendo o real sentido de sua própria profissão?

Problemas sempre existirão na vida das pessoas – não importa a condição em que elas estejam.

“Ah, mas se tiver dinheiro…”

Dinheiro?

Dinheiro é sim importante, mas não é tudo.

Pois o que há de mais importante na vida, o dinheiro não pode comprar.

Dinheiro pode comprar sexo!

Mas não pode comprar amor…

Dinheiro pode comprar hospital!

Mas não pode comprar saúde…

Dinheiro pode comprar cultura!

Mas não pode comprar inteligência…

Dinheiro pode comprar companhia!

Mas não pode comprar amigos…

Dinheiro é muito importante!

Mas não é garantia de felicidade.

Por exemplo, no mundo corporativo, sempre haverá quem demita uma pessoa pelo fato de ela não procurar demonstrar a todo momento o que ela sabe… E outras que vão contratá-la pelo mesmo motivo.

Afinal, qual a verdadeira sabedoria?

Há momentos na vida em que a maior demonstração da verdadeira sabedoria é fazer de conta que não sabe nada…

***

“Que DEUS me dê serenidade para aceitar as coisas que não posso mudar, coragem para mudar as que posso e sabedoria para distinguir entre elas.” (Reinhold Niebuhr)

 

REFLEXÃO

Reflexão: uma busca pessoal pela própria verdade.

É a capacidade de reflexão do ser humano a principal característica que o diferencia dos demais animais.

Pois só o ser humano possui a capacidade de refletir sobre seus atos, buscando o quê?

Motivação.

Avaliando o passado e projetando o futuro, com base em seu conhecimento e sua imaginação.

Conhecimento tem a ver com o passado.

Imaginação tem a ver com o futuro.

E onde está elo entre o passado e o futuro, ou entre o conhecimento e a imaginação?

Está no presente:

– Motivação!

Graças à dádiva do livre arbítrio, qualquer ser sobre a face da Terra (e não somente os seres humanos) pode tomar a iniciativa de agir.

De tomar uma atitude, onde e quando estiver.

Porém, somente os seres humanos (os “racionais”) possuem a capacidade de meditar sobre os resultados de suas atitudes.

De suas iniciativas.

E ponderar sobre se elas atingiram os objetivos para os quais foram executadas – pelo menos de forma minimamente aceitável.

E daí obter inspiração para simplesmente adotar uma…. Ação!

Reflexão significa avaliar as iniciativas, as atitudes, as decisões, enfim, tudo o que foi feito em contraposição aos resultados alcançados por elas.

E, a partir daí, ponderar:

– O que eu poderia ter feito para criar um resultado diferente daquele que alcancei?

Um processo de reflexão não deixa de ser um exercício de devaneios, já que para que ele seja efetivo (e portanto útil), é fundamental que a pessoa que o exerça o faça de maneira absolutamente libertária.

Sem preconceitos – nem que seja, pelo menos, de seus próprios pré-conceitos.

Pois ela tem de calçar, para avaliar suas atitudes, não seus próprios sapatos… Mas os sapatos de outros.

Aqueles que, de maneira direta ou indireta, estão relacionados com o resultado das atitudes.

E por que calçar os sapatos desses outros?

Por que somente quem calça o sapato sabe onde o calo dói.

E somente essa posição de incorporar o sentimento de outras pessoas é que vai gerar as informações necessárias para avaliar de maneira efetiva:

– O que eu poderia ter feito para criar um resultado diferente daquele que alcancei?

Reflexão não é um processo automático que possa ser correlacionado a qualquer atitude casual do mundo atual, tipo teclar num ícone em uma tela de um computador, de um tablet ou mesmo de um smartphone.

Na realidade, reflexão representa uma das mais árduas tarefas do ser humano durante sua existência, pois ela requer uma atributo geralmente escasso, e usualmente disponível apenas naquelas pessoas que fazem a diferença:

– Viver o presente, sem perder de vista seu passado e muito menos seu futuro.

Em outras palavras:

– Agir tomando por base a combinação entre a sabedoria produzida pelo conhecimento e a ação gerada pela imaginação.

E é justamente por isso que tão poucas pessoas se dedicam à reflexão…

***

“Nunca pergunte a um barbeiro se você precisa de um corte de cabelo.” (Daniel Greenberg)

 

EFICIENTE OU EFICAZ?

Ser eficaz é diferente de ser eficiente.

Ser eficiente significa fazer o que de melhor pode ser feito.

Ser eficaz significa fazer o que de melhor deve ser feito.

Tanto eficiência quanto eficácia tem a ver com um processo de cumprimento de objetivos.

Só que eficiência tem a ver com execução:

– Cumprir a ordem.

Enquanto eficácia tem a ver com resolução:

– Restabelecer a ordem.

Uma pessoa eficiente faz o que tem de ser feito, sem necessariamente se preocupar com o resultado.

Ela terá sempre como foco o cumprimento de suas atividades, tarefas e procedimentos predeterminados.

Uma pessoa eficaz terá sempre em mente que o importante é realizar algo que efetivamente resolva uma situação.

Alguém que usualmente cultue a eficiência em sua rotina do dia a dia poderá considerar como absolutamente equivocados quaisquer comentários quanto suas estratégias de atuação.

Já, alguém que tenha em mente a cultura da eficácia terá sempre em mente que não basta desempenhar de maneira rápida uma determinada função, cargo ou tarefa, se não contribuir para a resolução dos problemas.

Problemas? Sim, problemas. E a vida é cheia de problemas, simplesmente por conta das dificuldades do dia a dia.

E é justamente dessa abundância de problemas que nasce a necessidade de se diferenciar quem é:

– Eficiente…

E quem é:

– Eficaz!

Quando uma pessoa eficiente durante a noite tem seu sono interrompido pelo latido do Lucky (seu poodle) no quintal de sua casa, o que ela pensa?

– Ah… O Lucky está latindo… Porque ele não consegue dormir.

A pessoa cujo foco é um desempenho eficiente vai concluir inevitavelmente que cumpriu seu papel, vai se virar na cama para o outro lado e voltar a dormir.

Eficiente, não?

Mas se uma pessoa eficaz durante a noite ouve o latido de seu cachorro no quintal de sua casa, o que ela pensa?

– Ah… O Lucky está latindo… Por que ele não consegue dormir?

A pessoa cujo foco é o desempenho eficaz não vai simplesmente se virar na cama para o outro lado e voltar a dormir…

Vai, isto sim, procurar entender o mérito do que está acontecendo!

E muito provavelmente vai largar o aconchego de sua cama, vestir um roupão ou o que quer que seja e tentar entender por quê o cachorro da casa está latindo.

Ou seja, ela vai tentar esclarecer o fato para daí então saber se há um problema que necessita de atenção.

E finalmente, identificada a origem da situação e se for o caso, tentar resolver o problema.

Afinal, você é eficiente ou eficaz?

Pois ser eficiente ou eficaz não representa um destino numa via de mão única.

É simplesmente uma opção de escolha entre uma das seguintes alternativas:

– O que pode ser feito: e,

– O que deve ser feito…

A diferença entre elas?

Uma simples manifestação pessoal da própria capacidade de liderança…

***

“Nunca confunda movimento com ação.” (Ernest Hemingway)

 

SEU CHEFE? SABE MENOS QUE VOCÊ

Na maioria das situações da rotina do dia a dia de uma empresa, é fato: seu chefe sabe menos que você.

Sim, mas…

O que fazer quando seu chefe sabe menos que você?

Uma situação bastante comum nas empresas é alguém achar que seu superior hierárquico (seu chefe…) sabe menos que esse alguém.

Que ele não possui conhecimentos técnicos suficientes para exercer a supervisão de seus subordinados – e que, muitas vezes, nem sequer possui uma bagagem cultural compatível com a função.

Enfim…

Esse “superior hierárquico” seria alguém que, apesar de ocupar um cargo de liderança (e, o que é mais importante, ser “seu” chefe…), não se apresentaria em condições de justificar a posição que ocupa.

Afinal, o termo “liderança” deriva de “líder” – alguém que toma a iniciativa, apresenta-se como o mais qualificado para conduzir o grupo e, após a avaliação dos demais, passa a ser considerado como o mais apto a assumir a dianteira e definir o caminho a ser trilhado.

Só que, nas empresas, o processo não se dá dessa forma.

Não é o grupo (composto basicamente por seus eventuais subordinados) quem estabelece, naturalmente, quem será o líder.

Mas sim o “chefe” – mais precisamente, o “chefe” do “chefe”.

E, por mais desconhecedor que ele possa ser sobre a realidade do mundo, tenha certeza:

– Ele sabe como trazer resultado para a empresa!

Caso contrário, o chefe dele nunca o teria guindado à condição de chefe.

Daqueles que têm de executar…

O que fazer quando você acha que seu chefe sabe menos que você?

Simplesmente, não deixe que ele se sinta constrangido por, por exemplo, não saber:

1 – Quantos estados têm o Brasil: são 26 estados e 1 distrito federal (Brasília, que não é nem nunca foi estado, mas a capital da federação)…

2 – Que o quadrado da hipotenusa é igual à soma dos quadrados dos catetos…

3 – Que a água ferve a 100º graus…

4 – Que, em contabilidade, a cada um ou mais débitos deve haver um mais créditos de igual valor…

5 – Que o Uruguai já foi um estado do Brasil (uma província, à época) chamada “Província Cisplatina”…

6 – Que antibióticos só são eficazes contra o tratamento de doenças causadas contra bactérias – contra vírus, são indicados os antivirais…

7 – Que a ciência que estuda o comportamento do cosmos (ou o funcionamento dos fluxos interplanetários) é a astronomia – não a astrologia…

8 – Que a base fundamental da ciência econômica é a lei da oferta e da procura…

9 – Que números primos são aqueles que só são divisíveis por 1 e por ele mesmo…

10 – Que a diferença entre “corsários” e “piratas” é que os primeiros estavam a serviço do rei, enquanto os outros estavam a serviço de si mesmos…

Estes são apenas alguns exemplos de cultura geral.

De conhecimentos que muitos subordinados têm – e acham que seu chefe também deveria ter.

Mas um chefe sempre tem uma carta na manga.

Que justifica sua condição de chefe.

E os subordinados?

Continuarão a ser subordinados por muito tempo – pelo menos até que descubram “aquele” algo a mais que seu chefe já sabe.

Independentemente de tudo aquilo que acham que seu chefe deveria saber…

***

“Não enriquece quem trabalha, mas quem faz os outros trabalharem.” (Julio Camargo)

 

DIFERENÇA ENTRE ERRO E BESTEIRA

Quando alguém comete um erro é sempre bom torcer:

– Tomara que tenha sido apenas uma besteira…

Toda besteira que se comete na vida é um erro; mas nem todo erro é uma besteira.

Erro e besteira são irmãs gêmeas, nascem juntos – mas, como todos os gêmeos, cada uma toma seu próprio rumo depois.

Isso porque qualquer ação, ou reação, de qualquer pessoa que seja, sempre estará inevitavelmente sujeita ao resultado alcançado.

Deu certo:

– Sucesso!

Deu errado:

– Fracasso…

E o “dar certo” ou “dar errado” será sempre conseqüência da inevitável confrontação entre:

– O que se queria; e,

– O que se alcançou.

Já que tanto o erro quanto o acerto geram um resultado – inevitável, pois são conseqüência de uma ação (ou reação) que temos de enfrentar quando… Tomamos uma decisão!

Ou seja, se alguém não quiser errar nunca na vida basta se abster de quaisquer situações que requeiram uma DECISÃO…

Certo? Não; errado! Por que errado?

Porque é impossível viver a vida sem que se tome alguma DECISÃO!

Decisão é o que qualquer ser humano faz o tempo todo, ao longo do dia, do início ao fim.

Sem se dar conta de quantas vezes faz isso.

Por exemplo, ao acordar, qualquer pessoa já começa DECIDINDO:

– Levanto agora ou dou mais um tempo na cama?

– Escovo os dentes antes ou depois do banho?

– Tomo café com leite ou café preto?

– Leio o jornal antes de sair ou levo comigo para ler no trabalho?

– Vou de terno azul ou cinza?

– …

Enfim, são decisões.

E como em qualquer decisão, nem sempre haverá acerto; muitas vezes haverá erro – pois errar é humano.

Só que alguns erros cometidos não trazem a menor conseqüência na vida – ou, quando muito, conseqüências irrelevantes.

São as chamadas besteiras:

– Café ou chá?

– Peixe ou frango?

– Cinza ou azul?

– …

Outros, porém, fazem uma enorme diferença.

Por trazerem enormes conseqüências ao longo da vida de quem os cometeu.

Como por exemplo na escolha de uma profissão:

– Contabilidade ou biologia?

– Engenharia ou medicina?

– Direito ou música?

– …

Mas a diferença entre erro e besteira não está somente relacionada à escolha da profissão, mas sim em todas as decisões diárias que qualquer pessoa tem de tomar durante sua nossa busca constante pela felicidade, quer seja no âmbito famíliar, social, profissional, sentimental…

Enfim, em tudo o que está relacionado com o enredo deste filme chamado popularmente como:

– Sua vida!

Afinal, a diferença entre erro e besteira: 

– Besteira deixa rastros na areia; erro deixa rastros no asfalto.

***

“Matar um elefante é fácil – difícil é remover o cadáver.” (Mikhail Gorbachev)

 

POR CENTO OU PONTOS PERCENTUAIS?

Qual a diferença entre “por cento” e “pontos percentuais”?

Afinal, qual o percentual de pessoas que se dão conta dessa diferenciação na comunicação do dia a dia de suas vidas?

– Cem por cento comprovado: o contabilês, o financês, o economês, e outros tantos mais, são tão idiomas quanto o português, o italiano, o espanhol e o inglês…

Quando ele viu o resultado do último relatório de vendas, teve um calafrio

– Aaaiii…

Que foi?

– Deu zebra… 

? 

– Nossa participação no mercado desabou…

Quanto?

– Passou de 20 para 15 por cento… E o pior de tudo é que as vendas despencaram mesmo, pois o mercado permaneceu estável… Tem concorrente rindo à toa… Com isso, provavelmente, vão rolar muitas cabeças aqui na empresa… O Alfredo vai passar por cima da gente como rolo compressor…

Ah, vai não… Deixa comigo! Faço questão de apresentar pessoalmente esse relatório para ele…

– ?

Tudo na vida depende de como você expõe uma situação – como o excelente vendedor que sou, vou adotar a estratégia correta para vender esse peixe! 

– Ah, é? E o que é que você vai fazer? 

Nada de reinventar a roda: vou apenas adotar a estratégia do “depende como você olha”… Aquela história do copo com água até a metade; o copo está meio cheio? Ou meio vazio? Depende de como você encara…

– E você acha que o Alfredo vai engolir essa? O cara é diretor de vendas há 15 anos, já conhece todo esse “blá-blá-blá”…

É só uma questão de saber conduzir – e nisso, modéstia à parte, sou um especialista.

– Bom, se você está tão confiante, então toma o relatório e leva pra ele, que ele está esperando…

“Xa comigo”! Vender é minha especialidade!

Mário pega o relatório e sai da sala.

Vinte minutos depois ele está de volta.

– Já? O que aconteceu? O Alfredo teve um infarto quando viu o relatório?

Não, ele não viu nada…

– ?

Eu nem cheguei a entrar na sala dele, pois ele estava de saída; disse que tinha sido convocada uma reunião de diretoria e que ele precisava ir para lá com urgência.

– Então ele nem sabe do resultado!

Bem; mais ou menos…

– Como mais ou menos?

É que, na pressa, ele disse que não teria tempo de discutir o relatório em detalhes, mas que precisava apenas saber o resultado final de queda das vendas, pois justamente esse era o número que os outros diretores queriam discutir com ele.

– E…

E eu falei…

– Falou?

Falei…

– …

Que as vendas tinham caído 5 por cento… Ele deu um sorriso largo, me deu parabéns e disse que depois da reunião de diretoria conversava com a gente…

– Você disse que “as vendas tinham caído 5 por cento”?

É… Não foi?

– Não! 5 pontos percentuais foi a queda de nossa participação no mercado: de 20 por cento para 15 por cento!

– Como o mercado permaneceu estável, ao passar de 20 por cento para 15 por cento de participação no mercado isso significa que nossas vendas caíram 25 por cento!

– Preste atenção: quando se diz no vocabulário econômico que a inflação teve um aumento de 1 ponto percentual isso significa que, por exemplo, se ela era de 5 por cento, passou para 6 por cento; agora, quando se diz que houve um aumento de 1 por cento, significa que se ela era de 5 por cento, passou a ser de 5,05 por cento (1 por cento de 5 por cento dá 0,05 por cento)!

Ah, é?

– É! Meu, e agora? Ele pode estar achando que nossa participação no mercado caiu apenas 1 ponto percentual (5 por cento de 20 por cento), e que passou para 19 por cento…

– E a esta altura ele já pode até ter passado esse númerco para os outros diretores…

Bom… Não tenho culpa se ele estava com tanta pressa…

– …

E eu não tive tempo de lhe expor meus conceitos de como tudo na vida depende de como você olha…

– …

Ora, você sabe, sempre fui o melhor vendedor da empresa, o mais bem avaliado, o mais especializado…

– …

Ahnnn… Você acha que isso pode me atrapalhar?

– Bastante…

A probabilidade de eu ser demitido antes desse mal entendido era zero! Você acha que ela aumentou?

– Um aumento de 100 por cento sobre algo que era zero não existe, pois teríamos sempre zero como resultado.

?

– …

Então?

– Eu diria que a probabilidade de seu nome constar na próxima lista de dispensa da empresa teve um aumento de 100…

Por cento?

– Hummm… Pontos percentuais.

***

Cada ramo do conhecimento humano possui sua terminologia própria – uma espécie de “subidioma” dentro do próprio idioma.

E por que é tão importante saber isso no dia a dia da vida?

Porque o maior percentual das pessoas ainda vivas já sentiram isso em sua própria pele…

***

“Palavra e pedra solta não têm volta.” (Benito Pérez Galdós)