INGLÊS

Esqueça o que diz a maioria das pessoas!

Porque a maioria das pessoas procura desde o início do aprendizado aprender o inglês formal, o que é realmente muito difícil.

Matriculando-se numa escola que na maioria das vezes promete levá-las a uma fluência verbal imediata.

Só que recorrendo a exercícios sistemáticos, onde são apresentadas frases feitas, com base no idioma escrito – ou seja, o idioma formal.

O formal impõe regras não só no idioma inglês.

Mas também no espanhol.

E também no francês – haja acentos.

E no italiano, então? Pra que tantas letras dobradas nas palavras?

Incluir o russo nessa lista seria covardia – o alfabeto deles nem igual ao “nosso” é.

Mas então, se incluirmos o chinês como um idioma também muito difícil de se aprender…

O que representaria isso?

Afinal, nem letras eles tem, só um monte de desenhos, segundo nosso conceito ocidental.

“Rabiscos”…?

Com todo o respeito! E respeito sincero.

Pois já estamos calejados em encontrar executivos de empresas chinesas que mal chegam ao Brasil, transferidos pela matriz dessas subsidiárias brasileiras, para conduzir os negócios no Brasil – e, obviamente, “trucidando” o português…

Quando dizemos conduzir, estamos sendo claros:

– Ocupar cargos de direção.

Tais como:

– Diretor comercial;

– Diretor administrativo;

– Diretor financeiro;

– Diretor presidente…

Realmente, conversar com eles representa uma certa carnificina do idioma português formal.

Aliás, quem é que disse que eles são formais no relacionamento com os brasileiros?

E eles estão preocupados com isso?

Nada: nem um pouco!

Sabe por quê?

Porque eles sabem que, nem que seja aos trancos e barrancos, fazem-se entender!

Sem nem ao menos soluçar.

Não estão nem aí com a forma:

– Conshugação verbau? Ké isho?

O que eles assumem é uma conduta absolutamente humilde, de quem tacitamente não domina o estranho idioma pelo qual tem de se comunicar.

Mas plenamente conscientes de que, efetivamente, estão procurando transmitir a mensagem que querem transmitir.

Sabe por que fazem bem isso?

Em quem se espelharam?

Em nós: todos nós!

Só que não nos “nós” que nos tornamos e somos hoje.

Mas nos “nós” de quando éramos crianças!

Quando não tínhamos a mínima noção de “sintashi” (“sintaxe”, claro), que é aquilo que quando tentavam ensinar na escola e que, via de regra, a maioria não dava a mínima bola.

Numa época em que falávamos sem medos ou receios sobre o que os outros iam pensar.

Somente preocupados, ao falar, em transmitir o que pensávamos.

Quer aprender um outro idioma?

Procure retornar aos primeiros anos de sua vida, quando ousava falar sem quaisquer preocupações com o que os outros iriam pensar.

Por que é tão difícil aprender inglês?

Porque é difícil aprender espanhol, francês, italiano, chinês…

Quando alguém se preocupar em fazê-lo de maneira formal, preocupando-se com todos os seus detalhes – ou seja, respeitando todas as regras gramaticais.

E, do ponto de vista puramente gramatical, aprender inglês é uma das tarefas mais fáceis do mundo!

Aprender inglês é fácil – difícil mesmo é aprender português!

E se esse alguém conseguiu aprendê-lo quando era criança, imagine o que não poderá aprender quando adulto…

***

“Comunicação é a arte de ser entendido.” (Peter Ustinov)