POLÍTICA NAS EMPRESAS

Fazer política nas empresas atrapalha a carreira de um profissional?

Do ponto de vista eminentemente técnico atrapalha bastante, sim.

Já do ponto de vista da evolução na carreira, nem sempre.

Uma conduta política não só se torna necessária como é funtamental: o exercício diário de um comportamento baseado em conceitos da política é, nos dias de hoje, imprescindível nas empresas.

Muito antes de surgirem empresas, existiram os romanos, os gregos… E os filósofos! Que foram aqueles que criaram a política.

Política representa o maior legado cultural deixado pelos gregos antigos, e isso porque tanto do ponto de vista teórico quanto principalmente prático o objetivo da política foi substituir a guerra – isso mesmo: guerra.

Aquele “evento” que aparece cotidianamente nos dias de hoje em manchetes e matérias dos jornais, revistas, filmes, televisão, internet… Em que duas partes se desafiam e se enfrentam, até que uma delas morra – quando não, muitas vezes, as duas.

E o que são guerras? Nada mais do que conflitos mal resolvidos entre pessoas, dos mais diversos tipos, das mais variadas naturezas, pelos mais estranhos motivos: etnia, raça, nacionalidade, religião, economia, opinião, classe, orgulho, inveja, teimosia…

A invenção da política foi o recurso encontrado pelos filósofos para tentar substituir as guerras por uma alternativa civilizada na solução de seus conflitos – com o objetivo de tentar evitar que pessoas morressem por conta de conflitos que poderiam ser resolvidos simplesmente com o exercício do diálogo.

A inteligência e sensibilidade dessas pessoas os levou a identificar, já naquelas priscas eras, que de nada adiantaria vencer uma guerra se o vencedor também morresse.

Transpondo de maneira simplificada esse conceito para o mundo corporativo moderno, afinal…

O que signficaria morrer numa empresa?

Significaria simplesmente:

– Ser demitido.

Por conta de conflitos diários e inevitáveis, inerentes ao exercício de cargos, funções e tarefas de cada um de seus integrantes.

E isso ocorre rotineiramente, em quaisquer níveis de atuação hierárquica ou especialização.

Em quaisquer empresas.

E quanto maiores essas empresas forem, maiores serão os conflitos nela existentes:

– Entre o presidente e a diretoria;

– Entre a diretoria e a gerência;

– Entre a gerência e a supervisão;

– Entre a supervisão e a execução;

– Entre a execução e o prometido;

– Entre o prometido e o entregue;

– Entre o entregue e o cliente;

– Entre o cliente e a empresa;

– Entre a empresa e o profissional;

– Profissional… Que profissional?

Talvez aquele sentado na cadeira ao lado…

Política é necessária nas empresas porque ela representa uma ferramenta imprescindível para a solução de conflitos que, inevitavelmente, sempre surgirão entre seus pares durante sua convivência profissional – não importa quem sejam seus pares.

Política é necessária nas empresas porque o único lugar em que nunca existirá conflitos entre os pares que compartilham um mesmo espaço é o cemitério…

***

“Na política sempre deveremos optar entre dois males.” (Christopher Morley)