REVELIA

Detestaria

Por sobre mim

A sina inglória duma existência infecta

 

Meu almejo

É o de entrar em ebulição

A temperaturas que sequer minha sensibilidade detecta

 

Tenho por fito

O viver, o sentir, o rodopiar

E girar, girar, girar, ir em frente e para o alto

 

Juntar-me às estrelas

Passearei pelo espaço

E eis que será mais longo que meu passo esse salto

 

Pois o que eu quero

É verter dilemas, é pairar em brisas

Quero chegar ao centro, quero criar meu mundo

 

Quero ser mais intenso

Quero ser mais febril

E sussurrar ao vento palavras de um amor profundo

 

Pois nada mais houve

Findou-se-me o passado

Nasço hoje, agora, aquele ontem morreu

 

Revelia sem clarezas

Revelia sem certezas

Mas que tornam mais forte aquele que um dia fui eu

***

“Não podemos olhar para trás com angústia nem para frente com temor, mas em volta com consciência.” (James Thurber)

 

Comentários: