O QUE SIGNIFICA PALAVRA

Palavras: você sempre será responsável pelo que cativa.

Palavras podem criar realidade – mas a realidade nem sempre pode ser traduzida por palavras.

Dicionário? Esqueça:

– Simplesmente literal: quando não há sentimento, qualquer letra fria sempre será letra morta…

Sinceramente, quem não gostaria de ter tido acesso a algum manual que o orientasse de maneira prática sobre como usar o mais importante e perigoso recurso do ser humano enquanto em sociedade:

– As palavras.

Sim, as palavras.

E que isso tivesse ocorrido por volta dos 15 anos de idade…

Aliás, nem sempre há a necessidade de sejam palavras – na maioria das vezes, basta apenas uma palavra.

Na realidade, não há muito mistério sobre as regras sociais que envolvem o uso das palavras.

Elas são simples.

Muito simples.

Mas são cruéis – muito cruéis.

E são cruéis porque as palavras representam tanto o remédio, quanto o veneno.

Pois as palavras nunca serão uma representação concreta da realidade.

Serão sempre apenas mais uma fonte para sua interpretação – e muito provavelmente a mais abstrata (ou seja, subjetiva) para avaliação de terceiros sobre a pessoa que fala.

Pois o que uma pessoa fala estará sempre condicionado à interpretação de quem a ouve.

E será uma das principais fontes de avaliação sobre o que os outros pensam sobre ela – ainda que essa pessoa nunca tenha pensado nisso.

Tenha muito cuidado com as palavras.

Pois você será sempre responsável, independentemente de seu sentimento, pelo que você cativa:

1. Fale de acordo com o que pensa, e aja de acordo com o que fala; usualmente, as pessoas dão muito valor ao que é dito e, ao que é feito, só se estiver em linha com o que é dito; se alguém ao convidar para um jantar falou, por exemplo, que serviria almôndegas e, de última hora, optou por servir caviar para impressionar, todos que lá estiverem se lembrarão disso, nem que seja por chacota.

2. Encontrar defeito é fácil, mas fazer melhor pode ser muito difícil; portanto, ao criticar negativamente algum feito, assegure-se antes de falar que possa realizar, ou pelo menos sugerir, algo melhor do que o que foi criticado.

3. É muito fácil falar – mas nem tão fácil conviver no dia a dia com as conseqüências do que se falou; portanto, tenha sempre em mente que, se um dia você disse que gostava de jiló, muito provavelmente, um dia você vai ter de comer jiló.

4. No mundo ideal, buscamos “condutas”; no mundo real, encontramos “discursos”; procure entender que ninguém busca o que já encontra a esmo, ou seja, o mundo real – de maneira geral, as pessoas procuram “condutas”, pois já estão “cheias” de discursos.

5. Finalmente, entre ficar calado e falar a esmo, é melhor parecer um tolo por um momento ao ficar calado, do que “abrir” a boca – e confirmar as suspeitas dos outros pelo resto de sua vida.

Palavras nem sempre serão capazes de traduzir para outro cérebro tão complexo quanto o nosso o que já é por natureza complexo em nosso coração…

***

“O tambor faz muito barulho, mas é vazio por dentro.” (Barão de Itararé)

 

Comentários: