INVEJA

Por que a inveja atrapalha tanto o dia a dia da vida das pessoas?

Porque, invariavelmente, nem todo medíocre é invejoso – mas todo invejoso é medíocre!

Alguém que seja invejoso possui o gen da mediocridade em suas palavras, em suas atitudes, em seu comportamento e, principalmente, em seu desempenho, não reconhececendo o valor do mérito dos outros ao atingirem a eficiência e a eficácia naquilo que fazem – e, conseqüentemente, no que conquistam!

É por isso que se deve estar atento às adulações que vêm de quem não se espera muito de sua própria obra.

Se há um sentimento de terceiros a que um profissional suficientemente bem preparado tecnicamente para desempenho de suas tarefas estará sempre exposto é, sem dúvida, o da inveja.

E, para conviver com esse tipo de “sentimento” não basta estar adequadamente preparado tecnicamente – e muitos profissionais acabam sucumbindo por achar que isso bastaria.

Há que se desenvolver um perfil psicológico estruturado.

Em que se estabeleça uma condição mínima de autoafirmação…

Constante!

Pois se há um custo que o mais competente tem de pagar diariamente é o de conviver com críticas “gratuitas, a esmo, passionais e, fundamentalmente, educadas”.

Principalmente se tiver “pureza de coração”.

Deve saber raciocinar como o comandante de um navio.

Onde os destinos de todos os que estejam no barco estarão sujeitos às consequências de suas decisões – e não só os passageiros, mas também dos tripulantes!

Afinal, são os tripulantes os principais responsáveis pela execução de qualquer decisão do condutor do navio.

E, embora todos os tripulantes estejam no mesmo barco, nem sempre eles se importam se o barco vai afundar…

Pois pensam cada um que “ELES” deveriam ser… O comandante!

Pois se tratam de pessoas que invariavelmente se consideram injustiçadas por seus familiares, por seus amigos, por seus chefes, e pela sociedade de maneira geral, por pensarem não estarem sendo suficientemente valorizados (segundo seus próprios conceitos) por aquilo que imaginam ser sua capacidade de realização e, principalmente, de liderança!

E é por desse tipo de raciocínio de seus “tripulantes” que um comandante, de qualquer navio, deve sempre estar atento.

Pois é imprescindível SEMPRE procurar identificar esses “tripulantes”.

A inveja é maquiavélica porque para ela não importa escapar num bote salva-vidas de um navio que vai afundar – o importante é que o CAPITÃO afunde junto.

Tente identificar esses tripulantes e faça-os andar na prancha antes do barco zarpar – ou seja, não embarcarem no navio!

Se quiser chegar a algum lugar…

***

“A inveja é um jogo em que o importante não é o que se ganha, mas sim o que o outro perde.” (Zuenir Ventura)