REALIZAÇÃO PROFISSIONAL

Realização profissional: um trabalho que justifique a vida – ou pelo menos este instante…

Realização profissional tem muito a ver com realização pessoal.

E realização emocional.

E realização espiritual.

E tantas quantas outras alguém possa imaginar – nas mais diversas áreas de interesse humano.

Poderíamos listar um sem-número delas, sem que fazendo isso agregássemos qualquer resposta prática, e principalmente útil, à questão principal:

– O que significa realização profissional?

O complemento sempre muda (profissional, pessoal, emocional, espiritual…), mas a expressão-chave permanece a mesma:

– Realização!

E é justamente aí que está a verdadeira questão.

Por que se procura por “realização profissional”?

Porque na maioria das vezes as pessoas não se dão conta de que a questão não é “profissional”.

Mas sim de interpretação do que significa efetivamente “realização”:

– O que significa “realização”?

Simplesmente:

– Satisfação.

Que é o sentimento que alguém atinge quando vê alcançada sua expectativa de resultado em relação a um determinado ato ou fato:

– Gostaria de mais um filé?

– Não, obrigado. Já estou “satisfeito”.

Num restaurante, é muito fácil estabelecer essa condição.

E por que invariavelmente nem sempre é assim no dia a dia da vida?

Porque, diferentemente de quando se vai a um restaurante, as pessoas não se preparam antecipadamente no dia a dia (ou, em outras palavras, não estabelecem suas expectativas) em relação ao que vão “comer”.

O que uma pessoa faz quando vai a um restaurante e gosta da comida?

Come mais, às vezes até repetindo o prato – comendo mais do que deveria (excesso – o velho risco da satisfação)…

Bem… E quando não gosta?

Não repete o prato… Muitas vezes come menos.

Às vezes nem come quando não gostou do que viu no prato.

E se não gostou, sinceramente:

– Quem é que perde seu tempo reclamando?

Reclamando do cardápio?

Não existe nada mais simples do que, quando não se gosta de um restaurante, nunca mais retornar a ele – não é assim que usualmente as pessoas fazem?

E por quê, quando se trata de trabalho, de emprego, de vida emocional, a maioria das pessoas não age assim?

Por quê? Porque na vida, tal qual quando se vai a um restaurante, a maioria das pessoas não estabelece suas expectativas.

E por que é tão importante estabelecer expectativas?

Porque não existe sobre a face da Terra um único restaurante suficientemente apto a satisfazer as expectativas de todos seus clientes:

– Pizza de mussarela com bacon? Ai meu colesterol…

– Macarrão de glúten? Cê tá louco…

– Carne? Sou vegetariano…

– Verduras? Quem gosta de mato é cavalo…

– Peixe cru? Que nojo…

Que restaurante seria capaz de satisfazer todas as expectativas de seus potenciais clientes?

Imaginar que se possa atingir a realização profissional (ou pessoal, emocional, espiritual…) na esperança de que alguém seja capaz de atingir diretamente a satisfação de nossas expectativas é, no mínimo, um reconhecimento explícito de nosso desconhecimento sobre como o mundo funciona.

E como o mundo funciona?

Funciona assim:

– O que você está vendo é tudo o que temos a oferecer: algo lhe apetece?

O que significa realização profissional?

Saber, olhando o cardápio, o que quer comer.

E se gostar, comer somente até se satisfazer.

Afinal, glutões não combinam com os bons modos à mesa:

– Nem quando são workaholics.

Cuidado! Tanto a realização profissional como a pessoal, social, emocional, espiritual… Enfim, todas implicam no risco de 24 horas de exposição tóxica, causando dependência física ou psíquica. Não existem níveis seguros para seu consumo…

***

“O trabalho pode se tornar um esconderijo para você não ter de se relacionar com o mundo exterior.” (Jonathon Lazear)

 

Comentários: