O QUE SIGNIFICA ANÁLISE DE BALANÇO

Análise de balanços: técnica de avaliação da expectativa de comportamento de empresas, baseada em conceitos contábeis de cálculo de índices, cujo objetivo é projetar, tomando-se por base informações contábeis de um determinado período passado de uma empresa ou entidade, suas tendências futuras.

Em sua origem, esses índices eram basicamente calculados tomando-se por base valores apresentados nos balanços das empresas – daí a denominação análise de balanços.

Com o passar do tempo, novos cálculos de índices foram sendo incorporados à prática, não necessariamente sendo restritos a valores descritos apenas nos balanços, mas também a valores apresentados nas:

– Demonstrações de resultado;

– Demonstrações das mutações do patrimônio líquido;

– Demonstrações das origens e aplicações de recursos;

– Demonstrações de fluxo de caixa;

– Notas explicativas às demonstrações contábeis.

Por isso, modernamente, o termo análise de balanços acabou por ser substituído por análise de demonstrações contábeis, por refletir mais fielmente a abrangência de sua finalidade, já que são calculados índices baseados em valores descritos em diversas demonstrações contábeis.

Análise de balanços (ou análise de demonstrações contábeis, se preferir) é uma ferramenta.

Como qualquer ferramenta, não possui restrições quanto a quem, onde, e por que, vai ser utilizada.

Por exemplo, tomemos por base o ícone universal das ferramentas:

– O martelo!

A quem interessa um martelo?

Sem muito esforço, podemos citar de bate-pronto:

– Carpinteiros;

– Marceneiros;

– Serralheiros;

– Sapateiros;

– Escultores…

Só por esses interessados, fica claro que o conceito de ferramenta não está relacionado ao objetivo de quem a utiliza – mas sim para o que ela serve.

E para que serve a análise de balanços?

Para analisar…

Balanços!

Análise de balanços não possui finalidade outra que não seja servir como suporte para avaliação e projeção de desempenho de empresas ou entidades.

A quem interessa a ferramenta análise de balanços?

– Bancos;

– Corretoras;

– Agências de avaliação de risco;

– Investidores;

– Gestores;

– Clientes;

– Fornecedores…

Tal qual como no exemplo do martelo, a análise de balanços não garante qual será o produto final de quem utiliza a ferramenta.

Pois a utilização da ferramenta de análise de balanços sempre dependerá da capacidade de raciocínio, e principalmente da sensibilidade de quem a utiliza…

***

“O que nunca foi posto em questão, nunca será provado.” (Denis Diderot)