O FATOR IDADE NO MUNDO CORPORATIVO

Carreira: quando devemos começar a nos preocuparmos com a idade no mundo corporativo?

Nunca perca seu precioso tempo de hoje se preocupando com sua idade; afinal, amanhã, ela já não será mais a mesma.

Por mais que a idade pese no momento de alguém buscar uma recolocação fica aqui a dica da melhor estratégia a ser adotada:

– Assumir a idade que se tem.

Pois na ferrovia da vida, o tempo é o único trem que não para em nenhuma estação; ele simplesmente passa direto – por todas elas.

Por exemplo, se alguém pretender atuar no negócio do futebol (só para usar como metáfora o exemplo de uma área de atividade tão cara a um certo ex-presidente…) e tiver 15 anos, ainda poderá tentar ser jogador! 

Se, por outro lado, tiver 30 anos, não seria melhor partir para tentar a atuação como técnico, por mais árdua que possa parecer essa tentativa?

Porém, se aos 45 anos, quiser ainda continuar na mesma área, que no exemplo é futebol, teria que começar a pensar como “cartola” (ou “dirigente”, ambos os termos na linguagem dos “boleiros”).

Enfim, empregabilidade está diretamente relacionada não somente à nossa área de atuação – mas também à nossa adaptação aos parâmetros que nos são, intencional ou involuntariamente, impostos pelas normas sociais, ou “leis sociais”, que sempre de um jeito ou de outro limitaram nosso “ir e vir”.

Algumas “leis sociais” são explícitas – essas leis são, por que não dizer, honestas.

Por quê? Porque são claras na exposição dos limites de até onde você pode chegar: por exemplo (só como exemplo…), a chamada “Lei Seca”…

Se você não concorda com a “irracionalidade” da lei, isso é um bom sinal sob um ponto de vista eminentemente objetivo, pois demonstra que você é racional.

Criminalizar alguém que tenha ingerido meia taça de sidra despois da festa de aniversário de seu neto? Me poupe…

Justiça, sempre! Vingança, nunca!

Mas, independentemente de qualquer avaliação honesta sob seu conteúdo, não há como negar: a lei é clara, objetiva e transparente:

– Bebeu uma taça de vinho durante um almoço com a família, pegou a direção do carro após o almoço para ir da casa de seus pais para sua casa, um quilômetro que seja, e caiu numa “blitz”, não tem como reclamar – você sabia o que a lei estabelecia…

Quando uma lei é explícita, essa lei podemos mudar!

Outras “leis sociais” são “implícitas” – essas leis nem sempre são honestas, porque não são claras, objetivas e, quiçá, transparentes.

São fruto da convivência social, que vão sendo paulatinamente disseminadas e incrustadas na cabeça das pessoas – e todos acabaram fazendo uso dela, ao tempo em que dela se fizerem necessitados.

Pois qualquer pessoa que se apresentar como pretendente a uma vaga de jogador de futebol em um clube profissional aos 30 anos ganhará, no máximo, solidariedade.

Essas leis existem, e como existem – e é assim que o mundo funciona:

– Ou nos adaptamos a elas, como os crocodilos, ou não nos adaptamos, como os dinossauros…

***

“As pessoas são como os vinhos: a idade azeda os maus e apura os bons” (Cícero)

 

Comentários: