O QUE SIGNIFICA NOME E SOBRENOME NAS EMPRESAS

Nome é dado pelos pais: sobrenome, pelas empresas.

***

Ele achava que tinha um nome a zelar – e por isso procurou demonstrar confiança ao chegar para a reunião.

O fato de ter uma oportunidade como aquela era de extrema importância: afinal, não é todo dia que um vendedor tem a chance de se reunir com o principal executivo de compras de uma das maiores empresas do país, para poder apresentar pessoalmente o portfólio de produtos de sua empresa – e ganhar pontos (muitos pontos!) perante sua supervisão.

E tamanha foi a ansiedade que ele acabou por chegar à reunião com muita antecedência.

“Bom…” pensou ele, “melhor assim; pelo menos não terei o estresse do atraso”.

A reunião seria com o senhor João – e até nisso ele via sinais positivos, pois também se chamava João.

Ao chegar, apresentou-se à secretária, que perguntou:

– Seu nome…?

– João da Silva.

– …

– …

– Por gentileza, sente-se… Aceita um café… Uma água…?

– Não, obrigado! Eu aguardo!

E sentou-se numa das cadeiras – sentou-se naquela justamente disposta bem de frente à mesa da secretária, crente que seria chamado em seguida.

Cinqüenta minutos depois, toca o telefone da secretária…

– Solange, secretária do doutor João, bom dia! Seu nome? Ah, João da Vale… Estou transferindo a ligação!

Mais quarenta minutos, toca de novo o telefone da secretária…

– Solange, secretária do doutor João, bom dia! Seu nome? Ah, João da Apple… Estou transferindo a ligação!

Mais cinqüenta minutos, e toca o telefone…

– Solange, secretária do doutor João, bom dia! Seu nome? Ah, João da Pirelli… Estou transferindo a ligação!

Mais quarenta minutos…

– Solange, secretária do doutor João, bom dia! Seu nome? Ah, João da Petrobrás… Estou transferindo a ligação!

Depois de mais cinqüenta minutos, adivinhe… Toca o telefone da secretária…

– Solange, secretária do doutor João, bom dia! Seu nome? Ah, João da Fiat… Estou transferindo a ligação!

João (o da Silva…) começou a ficar impaciente: afinal, todo “joão” que se apresentava por telefone à secretária era prontamente atendido, enquanto ele, que estava ali, de corpo presente, de peito aberto e cheio de idéias para apresentar não tinha nem sequer sido anunciado pela secretária ao doutor João.

Ele começou a achar que havia algum tipo de discriminação por parte da secretária, algum tipo de preconceito, mas ele não conseguia entender qual – afinal, sendo ele louro, alto, de olhos azuis, não sabia definir exatamente o que significava “preconceito”…

E depois de mais trinta minutos tocou de novo o telefone da secretária…

– Solange, secretária do doutor João, bom dia! Seu nome? Ah, João da Microsoft… Estou transferindo a ligação!

Aquilo foi a gota – e ele não aguentou! Levantou-se da cadeira e foi direto em direção à secretária – praticamente com o dedo em riste:

– Escute aqui minha querida… O que está acontecendo?

– Como assim, senhor?

– Estou sentado aqui defronte a você há mais de quatro horas… Tudo quanto é ligação que chega para o doutor João você transfere de imediato para ele! E eu que estou pessoalmente aqui, nem sequer fui anunciado a ele! Afinal, qual o problema?!?

– Senhor, não há problema nenhum.

– Não? Então por que você ainda não anunciou ao doutor João minha presença aqui?

– Ahn…

– …

– Seu nome?

– De novo! Eu já falei diversas vezes: João da Silva!

– Senhor João…

– Sim…?

– É que, antes de encaminhar qualquer pessoa para contato direto com o Doutor João, tenho de fazer uma busca na internet para identificar a empresa que a pessoa representa…

– E…?

– Bem… Ainda estou na página 7 de 94.000.000 de resultados apresentados no Google para o nome “Silva”…

– …

***

“Há pessoas que não levam em conta a realidade mas, em compensação, a realidade também não as leva em conta.” (Karl Marx)

 

Comentários: