MEXA-SE HOJE

Procurando por saúde?

Então mexa-se hoje!

Agora e sempre!

Ou você será obrigado a ter de enfrentar uma academia…

Há certos conceitos (estereótipos) amplamente alardeados pela sociedade que contrariam frontalmente o bom senso – e a convivência com colegas de trabalho na rotina do dia a dia, pode ser uma das fontes mais profícuas para reflexão pessoal quando à razoabilidade dos estigmas que foram estabelecidos pelos usos e costumes da sociedade moderna em contraposição ao bom senso.

Por exemplo, ao entrar no elevador de um edifício onde funcionava a empresa em que ele trabalhava, sempre chamava sua atenção alguns colegas que também entravam no elevador…

E que ao final do dia esvaiam-se em atividades físicas em academias de ginástica e quadras de tênis – atividades para as quais não só não possuíam qualquer propensão, como também representavam um risco inequívoco à sua condição física.

No dia seguinte, era impossível a ele ignorar esses colegas:

Dores nas costas;

Dores nas pernas;

Dores nos braços;

Dores nos ossos;

Dores nas juntas…

E era então que ele se lembrava dos alertas de sua consciência:

– Mexa-se…

E os colegas?

Ah, os colegas…

Eles não se faziam de rogados; procuravam enaltecer suas atividades físicas, alardeando suas dores como o preço a ser pago, inevitavelmente, por uma condição física mais gratificante – e, conseqüentemente, mais sadia.

Na cabeça deles, parecia  não haver a menor possibilidade de que alguém desenvolvesse uma condição de bem-estar físico sem que se dedicasse a alguma atividade física fora do horário de trabalho.

E, em sua maioria, questionavam:

– Qual a academia que você freqüenta? Que esportes você pratica?

Até que um dia, num happy hour, o cerco de formou:

– O que você faz para manter sua vitalidade?

– Eu? Happyhourismo…

– Isso a gente também faz! Você joga tênis?

– Tênis? Fumando o que eu fumo? Nem de mesa…

– Então, qual é seu segredo para tanta energia?

– Segredo?

– Qualé? Ninguém tem, com sua idade, a energia que você apresenta no dia a dia do trabalho sem nem sequer freqüentar uma academia…

– É, nesse ponto talvez você tenha razão…

– Sabia!

– É… Talvez eu tenha um segredo…

– Então fala!

– Bem, o que eu faço no no dia a dia é algo absolutamente inadmissível segundo os parâmetros estabelecidos pela sociedade moderna…

– ?

– Por exemplo, quando preciso subir um andar no edifício, eu vou pela escada…

– !

– E quando preciso descer dois andares, faço a mesma coisa…

– Sério?

– Sério…

– Mas por quê, se o elevador está lá justamente pra isso?

– …

A saúde da maioria das pessoas melhoraria, e muito, se elas simplesmente passassem a olhar para aquilo que faz parte de sua rotina no dia a dia da vida como olham para as esteiras de uma suposta academia de GINÁSTICA

***

“Não somos responsáveis apenas pelo que fazemos, mas também pelo que deixamos de fazer.” (Moliére)

 

Comentários: