INFLAÇÃO: UM NEGÓCIO QUE NÃO TEM PRECONCEITOS

Inflação representa o maior negócio controlado pelo Estado; um investimento sem riscos, com retorno líquido e certo, cuja privatização nunca foi nem sequer minimamente cogitada por quem quer que seja…

Cenoura…

Tomate…

Batata…

Pepino…

Chuchu…

Chuchu?

Sim, chuchu.

Até ele chegou a ser considerado como um dos principais vilões da inflação no Brasil – e sem qualquer parcimônia!

Afinal, alegar a alta do preço do chuchu como sendo um fator de tamanha relevância econômica a ponto de influenciar no comportamento da inflação do país representou, no mínimo, uma esquizofrenia!

Que é aquela situação em que uma pessoa ouve vozes, sem se dar conta de que essas vozes que ela ouve nada mais são do que manifestações de seu cérebro e que, por conta disso, não possuem qualquer relação objetiva com aquilo que ocorre no mundo real.

Mundo real? Sim, mundo real: aquele em que pessoas minimamente conectadas em seu dia a dia com seus princípios de vida, independentemente de seus sentimentos, procuram discernir em sua vida o que ocorre de concreto e o que ocorre de imaginário: ou será que não faz diferença na condução da polítca econômica de um país:

– Políticas de crédito?

– Dívida pública?

– Meio circulante?

– Infraestrutura?

– Livre iniciativa?

Será que nada disso possui qualquer importância dentro contexto da economia? Na maneira como os negócios são conduzidos? Será que a macroeconomia está simplesmente sujeita somente às intempéries do clima? Sinceramente…

Não há como uma pessoa minimamente esclarecida ser condescendente com tamanha gama de “argumentos aleatórios” – alegações atirando para todos os lados! E sabe quem mais prolifera esse tipo de alegações?

Justamente entidades (pessoas?) que se autodefinem como profissionais! Especialistas em economia…

Mas eu não sou especialista, sou amador – e como amador considero imprescindível nessa salada geral que se tornou o cálculo da inflação no Brasil passarmos a levar em conta em sua apuração um arsenal “hortifrutigrangeiro” mais abrangente – e consistente com as verdadeiras aspirações gastronômicas da maioria das pessoas de paladar refinado.

Ingredientes esses tais como:

– Espinafre;

– Aspargos;

– Champignons;

– Azeitonas;

– Alcachofra…

Na salada geral que se tornou a economia, não existirá inflação menor que possa ser apurada se considerados esses ingredientes como imprescindíveis no preparo de qualquer refeição minimamente condizente com o bem estar da raça humana!

Pois qualquer masterchef sabe que os preços desses itens nunca foram populares e, portanto, não tem porque subirem além do patamar em que já se encontram.

E se não aceitarem esta minha contribuição para aprimoramento do cálculo da inflação, pouco importa!

O que importa é que, independentemente da forma como os índices de inflação oficial são calculados, não haverá nada mais saboroso a ser degustado em qualquer refeição, independentemente de com o que quer seja feita, se preparada com esses ingredientes:

– Inspiração;

– Lealdade;

– Amor;

– Atitude;

– Honestidade…

Inflação: o mais desleal dos impostos: por se tratar de um artifício de política econômica de um governo com o objetivo de desvalorizar o poder de compra da moeda do país para simplesmente tornar mais fácil o pagamento de sua dívida pública, desconsiderando as necessidades básicas de sobrevivência no dia a dia de sua população – ou seja, agindo sub-repticiamente, tal qual usualmente faz um rato.

O que significa INFLAÇÃO

***

“Inflação é a única forma de taxação que pode ser imposta sem legislação.” (Milton Friedman)