IFRS: MENSURAÇÃO E DIVULGAÇÃO DO VALOR JUSTO

O que significa mensuração e divulgação do valor justo?

A norma IFRS 13 trata dos fatores externos que influenciam a avaliação inerente aos processos de precificação dos instrumentos financeiros.

Precificação no caso tem a ver com a determinação do valor a ser atribuído a determinados elementos integrantes das demonstrações contábeis – no caso, instrumentos financeiros.

O adequado conhecimento da norma implica em viabilizar a divulgação desses elementos nas referidas demonstrações contábeis do modo mais objetivo quanto possível.

Levando em consideração o contexto das operações da entidade em questão, e seu ambiente econômico.

É fundamental ter em mente que, quando se discute o papel da contabilidade no ambiente macroeconômico, não se está entrando no mérito de suas funções primárias de escrituração.

Contabilidade é, antes de tudo, a ferramenta máster no registro das operações de qualquer empresa.

A forma como essa operações serão registradas no dia a dia não representam elemento de ênfase nesta matéria.

O que representa o foco da norma, e isto sim, é a função que a contabilidade exerce como elemento de comunicação entre a empresa e o mercado.

Ou seja, como se dá a divulgação de suas operações.

Ou, pelo menos, do resultado de operações específicas.

Por exemplo, determinar o valor que será objeto de divulgação como saldo de caixa é extremamente simples:

– Basta ir ao caixa, contar o valor existente em moeda corrente nacional e fazer a divulgação desse valor nas demonstrações contábeis.

Simples, não?

Só que essa simplicidade não é encontrada tão facilmente em todos os itens constantes das demonstrações contábeis de uma empresa, ao se avaliar a natureza e finalidade de cada um deles:

– O valor justo é uma mensuração baseada em mercado e não uma mensuração específica da entidade. Para alguns ativos e passivos, pode haver informações de mercado ou transações de mercado observáveis disponíveis e para outros pode não haver. Contudo, o objetivo da mensuração do valor justo em ambos os casos é o mesmo – estimar o preço pelo qual uma transação não forçada para vender o ativo ou para transferir o passivo ocorreria entre participantes do mercado na data de mensuração sob condições correntes de mercado (ou seja, preço de saída na data de mensuração do ponto de vista de participante do mercado que detenha o ativo ou o passivo).

E é justamente por isso que definir o que seria um valor justo se torna tão complexo.

A essência do que seja valor justo não tem a ver necessariamente com avaliação.

Muito menos com divulgação.

Mas sim com o que parece ser um valor:

JUSTO

***

“Um especulador é alguém que corre riscos dos quais ele está ciente e um investidor é alguém que corre riscos dos quais ele não está ciente.” (John Maynard Keynes)