EYES WITHOUT A FACE

Eyes without a face?

Uma música que propóe a possibilidade de existirem olhos sem uma face.

Isso faz algum sentido?

Bem…

Não importa quantas cirurgias plásticas alguém tenha feito:

– Seus olhos sempre revelarão sua verdadeira face.

Não há nada mais brega do que cultuar…

O brega!

E, dentre as inúmeras muitas coisas bregas, uma das mais bregas é imaginar que Billy Idol…

Não é brega!

Não tenha dúvida nenhuma:

– Billy Idol é brega…

E bota brega nisso!

Tão brega que foi capaz de se atrever a gravar uma música com um título absolutamente sem pé nem cabeça:

– Eyes without a face?

Olhos sem uma face?

Francamente:

– Quem é que poderia imaginar uma situação como essa?

Imaginar olhos sem uma face é absolutamente fora de quaisquer padrões de objetividade.

Certo?

Certo…

Só que não…

Eyes without a face, ainda que brega, contém uma manifestação de criatividade; e pode ser considerada como uma manifestação de confronto, com tudo o que cerca.

É muito importante na vida de qualquer pessoa ter a noção exata de sua condição social, pois é justamente dessa noção que nasce a perspectiva concreta da viabilidade de sua inspiração interna.

Seus desejos, almejos e aspirações.

Quando é que alguém procura olhar fixamente nos olhos de outra pessoa? Quando procura identificar a coerência entre o que essa pessoa diz e o que ela pensa.

Na realidade, trata-se de um conceito até certo ponto insano; pois nunca haverá condições de avaliar o que uma pessoa pensa, baseando-se no que ela diz, olhando-se fixamente nos olhos dessa pessoa.

Pois muitas vezes fixar os olhos nos olhos de outra pessoa nem sempre será o suficiente para tentar identificar os reais pensamentos de dessa pessoa – principalmente quando nos defrontamos com pessoas com olhos, mas sem face.

Quando uma pessoa tem muitas faces, ela sempre correrá o risco de ser considerada simplesmente pelos que a rodeiam como alguém falso, hipócrita, dissimulado; mas…

E quando uma pessoa quer transmitir a imagem de que tem muitos olhos na mesma face?

Tome cuidado: no final, todo mundo se torna o que finge ser…

***