EU TAMBÉM VOU RECLAMAR

Já que todo mundo pode reclamar de tudo hoje em dia, sem que tenha de assumir sua incapacidade de gerenciar os rumos de sua própria vida, decidi assumir minha rendição ao status quo:

– Eu também vou reclamar!

Era isso o que ele dizia a si mesmo – por conta de todos os infortúnios que cercavam sua vida!

Ele não sabia direito do quê ele ia reclamar…

Mas a decisão já estava tomada!

Independentemente de toda sua incapacidade em interpretar e decifrar a maneira como andava sua vida…

Ou, simplesmente, os conceitos que envolvem o processo de comunicação da vida moderna!

E justamente por isso ele também ia reclamar!

Sem qualquer preocupação em se preparar para o “embate”…

E durante a consulta médica ele foi direto… Ao ponto?

– Doutor, já não tenho forças para expressar por palavras o que sinto!

– Asmático…

– O senhor acha que estou doente?

– Sintomático…

– Em qual órgão?

– Hepático…

– E é grave?

– Assintomático…

– O senhor quer dizer que não há risco de vida em meu estado atual?

– Estático…

– E isso significa o quê?

– Errático…

– Eu…?!? Por quê?

– Lunático…

– Qual o raciocínio que o doutor adotou para chegar a essa conclusão?

– Matemático…

– E o doutor acha que vou considerá-lo como?

– Enfático…

– Por conta do que em meu estado atual?

– Problemático…

– Onde? Por quê? O que é que há em meu comportamento de tão errado…?!?

– Emblemático…

– Por conta do quê…?!?

– Enigmático…

– E como eu deveria ser?

– Prático…

– Mas se é justamente por isso que eu vim aqui – para obter ajuda para meus problemas!

– Apático…

– Escuta aqui: você acha que eu sou o quê?

– Acrobático…

– Mas que m… Será que você poderia me dar ao menos uma única resposta objetiva? Quero dizer, como é que você definiria meu estado do ponto de vista médico… Ou social… Ou psicológico… Sei lá, alguma coisa que eu pudesse aproveitar e praticar na rotina de meu dia a dia…?

– Ático…

 ***

 

Comentários: