DISPOSTO A ENTENDER DE ECONOMIA?

Disposto a entender de economia todo mundo sempre estará.

Mas a verdadeira questão seria:

– Será que alguém realmente entende de economia?

Lógico que entende!

Alguém não, muita gente!

Então, por que é tão difícil identificar essas pessoas?

Porque, intencionalmente, quem realmente entende de economia, e tem poder de influência (combinada com uma forte responsabilidade social), sempre procura dissimular.

Dissimular?

Sim, dissimular.

Por que, se ele não fizer isso, sabe que só vai contribuir para, ainda que minimamente, desestabilizar o sistema – pois o sistema é movido pelos “leigos”.

A função da ciência econômica não é prever o futuro, mas sim, sob todas as formas possíveis, tentar evitá-lo…

Porque, economonia nada mais é do que a ciência que estuda a escassez.

Em última análise, todas as suas proposições sempre convergem para as medidas que deveriam ser tomadas face à inevitabilidade da insuficiência na produção de recursos em contraposição à demanda por eles.

Ou seja, em algum momento algum bem ou serviço vai faltar – quando? Ninguém sabe.

E a falta de algum recurso nada mais representa do que sua escassez.

Ainda que a escassez de um bem ou serviço seja apenas possível, mas não provável, manifestá-la tacitamente perante o público seria como… Promover sua escassez!

Pois a simples menção de que algo poderá escassear pode fazer com que a procura aumente em uma proporção que, eventualmente, seja inevitável atender a essa demanda.

E então, como reagir criticamente aos conceitos proferido por um especialista (expert) na área?

O exercício constante de nossa capacidade de reflexão sobre essas análises é fundamental – mas, infelizmente insuficiente, dada a quantidade de informações necessárias para a formação de qualquer juízo de valor no que se refere às questões relacionadas ao sistema econômico.

Para entender de economia, não basta querer entender de economia.

Também é importante um vocabulário mais do que rico, mais do que inovador…

Por outro lado, sempre resta a esperança de se aguardar por um tradutor de “economês” na internet (Aí, Google! Fica a dica…).

Já pensou que maravilha será quando isso acontecer?

Por exemplo, quando alguém dissesse algo do tipo:

– “A escassez de instrumentos de oferta de meio circulante suficientes para prover a demanda reprimida, no contexto do cenário macro-econômico atual de contração de disponibilidade de linhas de crédito, interfere significativamente em nossa estratégia de atuação efetiva, num nível de influência consideravelmente maior que o previsto, limitando nossa capacidade de desempenho a uma evolução vegetativa, comprometendo nossa capacidade de realização das metas delineadas em nosso plano plurianual.”

O tradutor sugeriria:

– “Gente, não vai dar para cumprir as metas previstas no orçamento, porque o povo está sem dinheiro – e quando o povo tá sem dinheiro, um abraço…”

Está realmente disposto a entender de economia?

Então tenha sempre em mente…

***

“As coisas nunca são tão ruins que não possam piorar.” (Humphrey Bogart)

 

Comentários: