A ETERNIDADE SÓ DESPERDIÇA NOSSO TEMPO

Eternidade: um processo sem início ou fim, sem qualquer possibilidade de determinação cronológica de sua duração, independentemente de quaisquer padrões de medição de tempo.

O que significa eternidade na prática?

Uma existência sem início ou fim, para fazer o quê?

E como é que fica a vida nisso?

A vida do dia a dia – a vida real:

– Aquela em que se procura por algo que justifique a própria existência.

Viver simplesmente em função da busca pela eternidade pode parecer interessante, à primeira vista.

Até se entender que a eternidade não se alcança com o corpo: se alcança com o espírito.

Que é o que efetivamente nos impulsiona a refletir, a empreender e a produzir, sempre buscando não desperdiçar nossa capacidade criativa.

Pois só uma vida sem desperdício de criatividade pode deixar um legado rumo à eternidade. 

E o pior desperdício em nossa vida é tentar parecer aos outros que o corpo vive em plena forma – enquanto o espírito definha…

Houve um tempo em que ele pensava que sofria de amnésia.

Hoje, já nem se lembra mais quando foi isso…

Depois que começou a fazer acupuntura, ele nunca mais teve esse pensamento.

Mas ele só resolveu recorrer à acupuntura depois de constatar que nunca tinha visto um porco-espinho doente…

Hoje em dia, ele não tem mais pensamentos induzindo-o a achar que está doente…

Achar que está doente é coisa de hipocondríacos.

E hipocondria é a única doença que ele tem certeza que não tem!

Mas ele tem algumas frustrações na vida.

A mais marcante aconteceu na última consulta que fez com seu geriatra – sim, ele já consulta regularmente um geriatra, apesar de só ter 25 anos…

– E então, senhor Jorge, qual o problema “desta vez”?

Sabe, doutor… Na realidade, não foi um problema específico que me trouxe até aqui.

– Não?

Não… É que eu gostaria de saber quais são as probabilidades de eu viver até os 100 anos.

– O senhor gostaria de viver até os 100 anos?

É.

– Bem, Jorge: objetivamente, o que eu posso lhe dizer é que é praticamente impossível para a ciência determinar isso que o senhor está me perguntando.

Sei… Mas eu gostaria que o senhor me ajudasse a avaliar essa possibilidade.

– Hummm… Ok. O exercício da medicina é antes de qualquer outra atividade, é uma profissão de fé… Vou fazer-lhe algumas perguntas, um questionário padrão, para atualizar seu prontuário. Dependendo de suas respostas, poderei tentar ajudá-lo a avaliar essas suas expectativas. Mas já garanto de antemão que não haverá qualquer segurança quanto a atingirmos essa sua expectativa; tudo bem?

Sim senhor!

– Ok… O senhor fuma?

Nunca coloquei um cigarro na boca!

– Ótimo – isso é um bom começo. O senhor consome alguma bebida alcoólica?

Não! Nunca tomei na vida nem sequer um copo de cerveja!

– Bom… Qual seu consumo semanal de carne – principalmente vermelha?

Nenhum! Zero. Não como carne nenhuma.

– Hummm… Não deixa de ser uma conduta positiva – pelo menos até certo ponto… Açúcar?

Nada!

– Ahnnn… Sal?

Zero!

– Hummm… Vida sexual: o senhor se mantém precavido quanto à transmissão de eventuais doenças venéreas – preservativos por exemplo?

Nunca tive qualquer relação sexual – justamente para evitar quaisquer riscos de doenças!

– …

– …

– Seu Jorge… O senhor algum dia escreveu um livro?

– Ainda não.

– Plantou uma árvore?

– Hummm… Não…

– E, pelo que o senhor já falou, nunca teve filhos…

É…

– Seu Jorge, posso fazer-lhe uma última pergunta…?

Claro, doutor!

– Considerando-se o estilo de vida que o senhor “abraçou”…

?

– Para que o senhor quer viver até os 100 anos?

– …

***

“Todos os animais, com exceção do homem, sabem que o principal objetivo da vida é usufruí-la.” (Samuel Butler)

 

Comentários: