BIZARRE LOVE TRIANGLE

Bizarre love triangle: um triângulo amoroso bizarro.

Não sei se consciente ou inconscientemente, mas o fato é que essa música poderia ser considerada como uma grande aula.

Uma aula de como a falta de comunicação objetiva pode se tornar um ato bizarro!

E interferir.

Atrapalhar.

Prejudicar.

E até inviabilizar um relacionamento – no caso, um relacionamento amoroso (implícito no contexto da letra).

Mas não é por conta de relacionamentos amorosos que me senti inspirado em compartilhar esse vídeoclip, mas sim por conta da aplicabilidade de sua mensagem ao atual contexto da maioria dos relacionamentos sociais.

As pessoas estão tão acostumadas com o que se passa a seu redor que nem se dão conta mais do que ocorre e, principalmente, do que deixa de ocorrer ao seu redor.

“Bizarre Love Triangle” é, antes de mais nada, um exercício de reflexão sobre o insucesso que muitas pessoas enfrentam em sua árdua busca em alcançar a felicidade.

E o papel importante que o exercício da omissão, ou a falta de iniciativa, tem no fracasso dessas pessoas…

Antes de assistir, reflita sobre o refrão original da música:

Every time I see you falling,

I get down on my kness and pray…

Waiting for a final moment you say,

All the words that I can’t say…

Cada vez que vejo você caindo,

Ajoelho-me e rezo…

Esperando pelo momento em que você diga finalmente,

Todas as palavras que não sei dizer…


Poético, não?

E profundo – um pouco melancólico, mas profundo.

Pelo menos, muito mais profundo do que as relações atualmente cultuadas, onde se faz falar muito – sem nem sempre dizer alguma coisa…

Ainda que sem intenção, Bizarre Love Triangle representa um culto à arte da comunicação…

Pois não adianta falar; é preciso dizer:

– Te amo!

– Te odeio!

– Te adoro!

– Te ignoro!

Sinto falta de você…

Bizarre Love Triangle (numa tradução livre, Triângulo Amoroso Bizarro) é por autodefinição a exposição de um triângulo amoroso.

E quais seriam os personagens desse triângulo?

O primeiro e o segundo seriam, obviamente, um par.

E o terceiro?

Talvez a dúvida.

Talvez a incerteza.

Talvez… Talvez? Talvez que nada!

A raiz do problema está na omissão!

Bizarre Love Triangle?

Talvez um pouco bizarro – um pouco não, muito!

Mas ainda assim, uma lição para a vida…

 

***

“O inimigo mais perigoso que você poderá encontrar será sempre você mesmo.” (Friedrich Nietzsche)

 

Comentários: