AS 10 EMPRESAS MAIS ODIADAS NOS EUA EM 2012

O que faz uma grande empresa ser odiada?

Principalmente em seu próprio país?

Uma empresa não é uma pessoa, que age segundo seus instintos imediatos de realização e satisfação pessoais.

Pelo contrário: uma empresa representa a realidade do mundo – a quintessência do capitalismo.

Onde se procura fazer tudo de maneira a satisfazer as expectativas objetivas de seus clientes.

E também as subjetivas…

Empresas odiadas?

Onde isso?

Onde mais…

Só poderia ser lá…

Naquele país…

O berço supremo do ódio à economia de mercado…

Onde todas as empresas são avaliadas apenas como sendo somente mais um artifício da mídia:

– Conservadora!

– Reacionária!

– Direitista!

E que país seria esse?

– China?

– Cuba?

– Coréia do Norte?

Claro que não!

Isso só poderia ocorrer no país mais socialista da face da Terra.

Pois socialismo não significa rebaixar todos seus habitantes à condição de miséria – quiçá, de pobreza…

Mas sim de procurar alça-los à condição de reflexão, inspirando-os a buscar o que de mais importante existe na vida:

– Viver.

A “Exame.com” publicou uma matéria que LISTA as empresas mais odiadas pelos consumidores americanos, segundo uma pesquisa realizada pela empresa de consultoria “24/7 Wall St.”.

À primeira vista, o resultado da pesquisa pode trazer algumas surpresas para alguns – afinal, numa lista de dez empresas, a maioria é… AMERICANA.

Para outros, não se tratam de surpresas, mas sim de pura manifestação tácita das incongruências que envolvem o “american way of life”.

Mas… Facebook figurar numa lista das “empresas mais odiadas nos EUA”?

No fundo, talvez seja apenas mais um dos muitos exercícios de “idiossincrasia” dos americanos – tão pródigos em sua cultura para estabelecer o “sim ou não”, “a favor ou contra”, “preto ou branco”, “bom ou mau”, “herói ou vilão”, “republicano ou democrata”…

Mas que, até prova em contrário, exercícios que representam a mais pura essência do porquê eles terem se tornado o que são… 

1. Facebook;

2. Blackberry;

3. American Airlines;

4. Citigroup;

5. Nokia;

6. HP;

7. JC Penney;

8. T-Mobile;

9. Dish;

10. Sears…

Americanos sempre exageram – em tudo, a começar pelo cinema! Não fosse assim, não teriam alcançado o patamar de desenvolvimento econômico e social (muito mais que o econômico) que alcançaram, quando comparados ao restante do mundo autodenominado como socialista.

E esse nível de desenvolvimento é tão profundo e ao mesmo tempo autêntico que somente eles são capazes de menosprezar a própria eficiência de maneira tão eficaz.

Não se deixe levar por seus próprios sentimentos pessoais: enquanto eles pensarem e agirem assim, não importa o quanto os outros protestem, gritem, esperneiem, ou seja lá o que quer que façam, eles serão capazes de suplantar todas suas dificuldades.

Americanos são educados para terem a convicção de que tudo na vida pode ser um negócio – e, em sendo um negócio, nenhum almoço grátis será oferecido a quem quer que seja – a não ser a ratos…

***

“Todos os negócios que nos propõem são maus, porque se fossem bons não nos proporiam.” (André Maurois)