ABILIO DINIZ

Abilio Diniz deixa o Pão de Açúcar.

Afinal, o que isso signfica?

Palmeiras ou Corinthians?

Ora, ora, ora…

Abilio Diniz nunca foi palmeirense, muito menos corintiano!

Abilio Diniz é uma pessoa que, como muitas outras, gosta de doces – se não doces, pelo menos coisas adocicadas…

Afinal: para que time torce Abilio Diniz?

Abílio Diniz é mais um dentre muitos que usufruiu da dádiva de ter sido filho de um pai que para se tornar um empresário de sucesso deu muito duro na vida e que sempre consumiu pão, muito pão – e nem sempre com açúcar…

Só que, quando faltou o pai (papai…? Que tal o padrinho…) o que restou?

Render-se aos tempos de infância:

– Não é a mamãe!!!

Mamãe nunca deixou faltar açúcar em casa – muito menos papai, que fazia de tudo para garantir o pão…

Mas a combinação entre pão e açúcar deu nisso – um filho sem sal…

Mesmo diante de um seqüestro inexplicavelmente não esclarecido pela mídia até hoje!

E hoje, como resultado, o que temos?

Abilio Diniz deixa o Pão de Açúcar.

Ele até mandou uma carta aos funcionários do Pão de Açúcar…

Para se despedir…

Do grupo que fundado por seu pai que, justiça seja feita, não se pode negar que ele até tenha ajudou a consolidar.

Em 1999, o Grupo Pão de Açúcar encontrava-se com inúmeras dificuldades financeiras, absolutamente endividado – sem meias palavras, estava…

À beira da falência.

Necessitando urgentemente de capital para alavancar das operações de seu amor verdadeiro, o Pão de Açúcar, na pessoa de seu até então acionista majoritário, Abilio Diniz, entrou em contato com o grupo francês CASINO para obter os recursos necessários para a manutenção das operações do Grupo…

Contato feito.

Discussões feitas.

Contrato discutido.

Contrato rediscutido.

Aceito por ambas as partes.

Recursos obtidos!

Em 2011, refeito o Grupo Pão de Açúcar das intempéries financeiras que comprometeram sua viabilidade econômica no passado e que, a aquela altura, não mais existiam…

Começaram as necociações, as discussões, as intrigas…

Parecia até briga de vizinho…

Anos de confrontos, mas também de indiferença…

E (quem sabe?) talvez até alguma baixaria…

E depois de tudo isso, qual foi a idéia revolucionária que saiu da cabeça de Abilio Diniz? Ele simplesmente propôs aos novos controladores do Pão de Açúcar um acordo de fusão do Grupo com o…

Carrefour!

Para quem não está eventualmente familiarizado com a rotina do mundo dos negócios, vamos tentar traduzir, ainda que de maneira simplória, o que significou a proposta de Abilio Diniz para a fusão do Pão de Açúcar com o CARREFOUR:

– Imagine Paulo Nobre, ex-presidente do Palmeiras, propondo uma fusão a Andrés Sanches (ex-presidente do Corinthians): que tal Palmeiras e Corinthians se fundirem e formar um mesmo time?

Juntos? Como se fosse um mesmo time? Como resultado de uma fusão? Haja visão holística…

Ou simplesmente falta de conhecimento do que significa zeitgeist.

Pois foi exatamente essa a proposta de inovação de Abilio Diniz:

– Cassino e Carrefour (=) Palmeiras e Corinthians…

Dois grupos varejistas gigantes na França – e tal qual o exemplo que nos ensina o futebol, absolutamente rivais…

Foi isso o que o Grupo Pão de Açúcar tentou (Grupo Pão de Açúcar? Não, Abilio Diniz…) e não aconteceu, como aliás era de se esperar; e por conta dessa idiossincrasia – sem qualquer noção de sua dimensão.

Um dos maiores ícones do comércio varejista do Brasil deixou de ter seu controle acionário nas mãos de brasileiros – a la francesa!

Virou estória…

***

“A história é a soma das coisas que poderiam ter sido evitadas.” (Konrad Adenauer)